Senado dos Estados Unidos ratifica tratado nuclear com Rússia

Para Obama, Start é parte fundamental da reestruturação das relações entre Washington e Moscou

AE, Agência Estado

22 de dezembro de 2010 | 18h16

Atualizado às 18h39  

 

WASHINGTON - O Senado dos Estados Unidos ratificou na tarde desta quarta-feira, 22, um novo Tratado de Redução de Armamentos Nucleares Estratégicos com a Rússia, conhecido como Start. O acordo, considerado uma prioridade da política externa do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, passou com 71 votos a favor e 26 contra.

 

Veja também:

linkObama elogia ratificação do Start no Senado

linkRússia elogia aprovação do Start pelo Senado dos EUA

 

O governo precisava de maioria de dois terços para que o acordo fosse aprovado, mas conseguiu quatro votos além do mínimo necessário. Treze senadores da oposição republicana e dois independentes juntaram-se a 56 democratas para ratificarem o documento.

 

O tratado, mais conhecido como Start, limita a 1.500 a quantidade de armas nucleares estratégicas a serem mantidas pelos dois países e prevê a retomada das inspeções mútuas dos arsenais atômicos. A versão original do tratado, assinado em 1991, entrou em vigor em 1994 e expirou no ano passado.

 

A sessão de hoje foi encabeçada pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que anunciou o resultado. A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, assistiu à votação da tribuna.

 

A ratificação era considerada crucial pelos partidários do acordo, pois uma derrota poderia limitar a capacidade de Obama de negociar futuros pactos, assim como prejudicaria sua posição nos esforços internacionais contra a proliferação das armas nucleares. Também estava em jogo a visão do governo Obama de que o novo Start é parte fundamental da reestruturação das relações entre Washington e Moscou.

 

Já os críticos queixavam-se que a ratificação daria uma vantagem estratégica à Rússia caso ela resolva buscar uma nova geração de armas nucleares. Os oponentes do tratado também alegam que o documento prejudicaria os esforços norte-americanos de defesa antimísseis.

 

Horas antes da votação em Washington, um destacado integrante da câmara baixa do Parlamento russo anunciou que a casa poderia ratificar o novo Start ainda este ano se o tratado fosse aprovado pelo Senado dos EUA.

 

"Se o Senado (dos EUA) ratificar o tratado, nosso comitê convocará uma reunião de emergência para discutir o documento", afirmou Leonid Slutsky, vice-presidente do comitê de Relações Exteriores da câmara baixa, citado pela agência de notícias Interfax. Segundo ele, "é melhor já entrar o ano-novo com um tratado ratificado em mãos". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUASenadoStartacordo nuclearRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.