Senado dos EUA aprova envio de tropas à fronteira com o México

O Senado dos Estados Unidos aprovou o deslocamento de tropas da Guarda Nacional para ajudar a deter o fluxo de imigrantes ilegais pela fronteira com o México. A emenda foi aprovada por 83 votos a 10. Não houve muitas discussões. De acordo com o texto, as tropas da Guarda Nacional não participarão de atividades de "registro, apreensão e detenção" de estrangeiros imigrantes ilegais. Os números não foram especificados na emenda. Mas o presidente George W. Bush propôs o envio de 6 mil soldados da Guarda Nacional a partir de junho e ao longo de 24 meses.Fontes do Congresso informaram que as tarefas da Guarda Nacional estarão limitadas a prestar apoio à Patrulha de Fronteira, que se encarrega da interceptação de imigrantes ilegais provenientes do México.A governadora do estado do Arizona, Janet Napolitano, anunciou que os primeiros 300 soldados da Guarda Nacional chegarão durante a primeira semana de junho. Os contingentes serão trocados a cada três semanas.Antes de aprovar a emenda sobre a Guarda Nacional, o Senado rejeitou uma moção para reduzir os salários de trabalhadores agrícolas. A proposta do senador republicano Saxby Chambliss era de modificar a forma de calcular a remuneração, como parte de um programa de trabalhadores temporários que integra o projeto de reforma migratória em debate.CoalizãoA emenda foi derrotada por 50 votos a 43. Fontes do Congresso interpretaram o resultado como uma prova da solidez da coalizão de democratas e republicanos. Os dois partidos pretendem submeter o projeto de reforma a uma votação definitiva na Sexta-feira.Chambliss, que é contra a reforma, disse que sua emenda teria criado um sistema justo. Mas o senador democrata Edward Kennedy, que liderou a oposição na iniciativa, disse que "os salários propostos eram intoleráveis".A reforma migratória precisa de um mínimo de 60 votos de um total de 100 no Senado. Até agora os seus defensores parecem controlar o debate e contar com o apoio necessário, disseram fontes legislativas.Aprovado no Senado, o texto terá de ser harmonizado com o da Câmara de Representantes, que aumenta a segurança na fronteira e criminaliza os imigrantes em situação ilegal, estimados em cerca de 12 milhões.A versão do Senado propõe um programa de trabalhadores temporários, além de medidas para conceder cidadania a parte dos imigrantes ilegais.Até agora o Senado aprovou pelo menos 16 emendas de um projeto que parece cada vez mais com o defendido pelo presidente. Entre elas, a que propõe a construção de um muro de quase 600 quilômetros na fronteira sul e a declaração do inglês como "idioma nacional" dos Estados Unidos.Na semana passada, Bush pediu três vezes ao Senado que aprove a reforma ainda este mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.