Senado dos EUA aprova projeto com US$ 13,6 bilhões em ajuda à Ucrânia 2 dias após decisão da Câmara

Senado dos EUA aprova projeto com US$ 13,6 bilhões em ajuda à Ucrânia 2 dias após decisão da Câmara

Documento será enviado para assinatura do presidente Joe Biden 

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2022 | 02h01

O Senado dos EUA aprovou nesta quinta-feira, 10, o financiamento do governo de US$ 1,5 trilhão, que inclui US$ 13,6 bilhões em ajuda à Ucrânia, dois dias após a votação do texto na Câmara dos Deputados. Esta é a primeira grande legislação de gastos federais do governo Joe Biden. O documento será enviado para assinatura do presidente.  

A pasta deu aval à medida de 2.700 páginas por uma votação de 68 a 31. A rápida decisão refletiu o forte apoio bipartidário para ajudar a Ucrânia e um senso de urgência para evitar uma paralisação do país em dias. O projeto de lei, que financia o governo até setembro, tem gastos generosos em programas domésticos há muito priorizados pelos democratas e investimentos militares defendidos pelos republicanos. Caso não fosse aprovada até esta sexta-feira, 11, agências federais do governo americano começariam a suspender seus programas considerados não essenciais. 

A Casa Branca saudou a decisão do Senado. "O projeto de lei de financiamento bipartidário prova mais uma vez que membros de ambos os partidos podem se unir para entregar resultados para o povo americano", disse Jen Psaki, porta-voz da instituição. 

“Isso reduzirá os custos para famílias e empresas, apoiará nossa recuperação econômica e promoverá a liderança americana no exterior”. Ela disse ainda que Joe Biden espera assinar a legislação e seu "apoio histórico ao povo ucraniano enquanto defende seu país e a democracia".

A parte destinada à Ucrânia incluirá US$ 6,5 bilhões para os custos dos EUA de enviar tropas e armas para a Europa Oriental e equipar as forças aliadas em resposta à invasão do presidente russo Vladimir Putin e repetidas ameaças belicosas. Além disso, o pacote transferirá US$ 4 bilhões para os refugiados que fugiram ou foram deslocados no país.

Em comentários no plenário do Senado, o senador Chuck Schumer, de Nova York, o líder da maioria, o chamou de “o pacote de financiamento governamental mais forte, ousado e significativo que vimos em muito tempo”.

Mas para abrir caminho para a aprovação, os democratas tiveram que abandonar algumas prioridades, principalmente um pedido da Casa Branca por mais ajuda pandêmica. Os republicanos se opuseram a gastar qualquer novo dinheiro federal na resposta ao coronavírus, levando os democratas primeiro a reduzir o tamanho desse pacote e depois a recuperar o financiamento de programas de ajuda existentes, incluindo dinheiro para governos estaduais, para pagar por ele. / REUTERS e AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.