Senado é fechado por segurança após tiroteio em base da Marinha nos EUA

Polícia afirma que o número de suspeitos não está claro e continua as buscas em Washington

AE, Agência Estado

16 Setembro 2013 | 16h56

WASHINGTON - O Senado dos Estados Unidos fechou as portas na tarde desta segunda-feira, 16, por motivos de segurança relacionados ao ataque a uma base da Marinha em Washington.

O senador Harry Reid, líder da maioria democrata, já havia adiado para amanhã as votações originalmente previstas para esta noite.

O chefe da polícia do Senado, Terrance Gainer, informou que o complexo legislativo foi fechado por causa da possibilidade de suspeitos continuarem à solta depois do ataque desta manhã. Até segunda ordem, ninguém pode entrar nem sair do Senado. "A ordem permanecerá em vigor até que consideremos que a situação é segura."

A Câmara dos Representantes continua aberta.

A chefe de polícia de Washington, Cathy Lanier, informou que pelo menos 13 pessoas morreram no tiroteio ocorrido no Comando Naval dos Sistemas do Mar (NAVSEA), uma instalação da Marinha altamente protegida. Ela disse que foi pedido às pessoas que fiquem em suas casas e se mantenham longe do local do ataque, enquanto as autoridades procuram outros dois possíveis suspeitos.

Um dos atiradores foi morto. Ele foi identificado como Aaron Alexi e tinha 34 anos. / DOW JONES

Mais conteúdo sobre:
EUAMarinhaSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.