Senado italiano decide manter soldados no Afeganistão

O governo do primeiro-ministro da Itália, Romano Prodi, venceu uma votação no Senado nesta terça-feira, 27, para manter os soldados italianos no Afeganistão, apesar da oposição de esquerdistas radicais.A votação terminou em 180-2, com 132 abstenções (que contam como "não" no Senado) e deu aprovação final ao decreto do governo que provêm fundos para todos italianos em missão no exterior. A medida já havia sido aprovada pelos deputados neste mês.A aprovação significa uma vitória para Prodi, que ameaçou renunciar semanas atrás, após perder uma votação no Senado sobre sua política externa, incluindo a missão no Afeganistão. A violência está crescendo no Afeganistão, assim como a controvérsia sobre a libertação de um refém italiano que seqüestrado seqüestrados no país.A Itália tem cerca de 2 mil soldados no Afeganistão, entre Kabul e Herat, longe da parte mais tumultuada no sul.Mas uma série de pequenos incidentes envolvendo italianos e relatos de conflitos violentos estão aumentando as preocupações na Itália sobre a segurança de suas tropas no Afeganistão.Comunistas e outros esquerdistas na coalizão se opõem à missão e querem a retirada das tropas, mas Prodi resistiu aos pedidos.O premier, em uma turnê diplomática na América Latina, não estava presente na votação. Texto ampliado às 20h45

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.