Senador acusado de ligação com paramilitares renuncia

O senador colombiano Álvaro Araújo Castro, detido há quase seis semanas por supostas ligações com paramilitares, renunciou na terça-feira, 27, ao seu cargo no Congresso, informaram em Bogotá fontes parlamentares.Araújo formalizou sua saída em carta ao secretário-geral do Senado, Emilio Otero, que anunciou a decisão no plenário.Na mensagem, Araújo criticou a Corte Suprema de Justiça (CSJ) por não permitir que ele responda às testemunhas de acusação.Com a renúncia, ele perde o privilégio de parlamentar. O caso judicial, então, passará a tramitar na unidade de antiterrorismo da Promotoria Geral.Araújo foi detido em 15 de fevereiro por ordem da CSJ, acusado de relações com a dissolvida organização paramilitar Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC).A detenção levou à renúncia de sua irmã, María Consuelo Araújo Castro, que era ministra das Relações Exteriores.O agora ex-senador é um dos nove congressistas que a CSJ mandou deter desde novembro, quando surgiu o escândalo do pacto de políticos com o comando das AUC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.