Senador bloqueia indicado para missão dos EUA no País

Sob pressão do lobby cubano-americano, o senador republicano George LeMieux bloqueou na noite de quinta-feira a nomeação de Thomas Shannon para a embaixada dos Estados Unidos em Brasília. A tropa de choque cubano-americana do Comitê EUA-Cuba Democracia opõe-se à política de aproximação com Cuba implementada por Shannon na função de secretário-assistente para Hemisfério Ocidental no Departamento de Estado. Os cubanos-americanos ficaram particularmente irritados com a suspensão do veto a Cuba na Organização dos Estados Americanos (OEA), neste ano.

AE, Agencia Estado

07 Novembro 2009 | 08h44

Arturo Valenzuela foi confirmado e deve assumir ainda este mês o cargo ocupado atualmente por Shannon, que é o principal posto diplomático para América Latina. Professor da Universidade Georgetown, o chileno-americano Valenzuela é bastante próximo da secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, e tinha bom relacionamento com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

O veto de LeMieux a Shannon foi uma surpresa. Na quinta-feira, Hillary telefonou para o senador Jim DeMint e disse a ele que os EUA reconheceria as eleições em Honduras no dia 29. DeMint acusava Shannon e Valenzuela de serem muito lenientes com o presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, e com outros partidários do presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Com essa garantia, DeMint tirou o veto à indicação de Shannon e de Arturo Valenzuela, que mantinha desde julho.

O Senado preparava-se para aprovar a nomeação dos dois por unanimidade, quando LeMieux anunciou que bloqueava Shannon. Valenzuela foi confirmado e deve assumir ainda neste mês o cargo - principal posto diplomático para América Latina. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Senado EUA Thomas Shannon Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.