Senador critica vazamento de identidade de fonte da Al-Qaeda

Um senador democrata pediu explicações à Casa Branca sobre por que o nome de um suposto membro da rede extremista Al-Qaeda, detido no Paquistão foi revelado a jornalistas, já que o suspeito vinha cooperando em segredo e enviando mensagens de correio eletrônico a outros terroristas, para que as autoridades paquistanesas pudessem rastreá-los. A revelação da identidade de Mohammed Naeem Noor Khan pode ter alertado outros membros da Al-Qaeda sobre os rumos da investigação, prejudicando-a.O senador Charles E. Schumer, de Nova York, pediu à conselheira de segurança interna da Casa Branca, Frances Townsend, que identificasse quem revelou aos jornalistas, na semana passada, o nome de Khan, e por que sua identidade foi revelada. Schumer também pediu a Townsend que diga se acha que a revelação compromete a segurança nacional. Ontem, a conselheira de segurança nacional da Casa Branca, Condoleezza Rice, admitiu em entrevista à televisão que a identidade de Khan foi revelada a jornalistas em Washington por fontes anônimas ligada ao governo dos Estados Unidos. A revelação do nome foi feita em 1º de agosto, quando o governo americano lutava para justificar sua decisão de elevar o alerta de segurança por conta de possíveis ataques contra instituições financeiras de Nova York, Washington e New Jersey. Khan foi detido no Paquistão em 13 de julho. Ele foi descrito pelas autoridades como um técnico em comunicações que ajudava membros da rede extremista Al-Qaeda a trocar mensagens. Sob condição de anonimato, funcionários americanos e paquistaneses confirmaram que Khan aceitou enviar e-mails a membros da Al-Qaeda e teria recebido diversas respostas úteis para as investigações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.