Senador dos EUA pede mais participação do Congresso em acordo nuclear com Irã

O presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, o republicano Bob Corker, afirmou neste domingo que o Congresso deveria desempenhar uma função maior na revisão de qualquer acordo nuclear final com o Irã. Ele argumentou que essa é a melhor maneira de assegurar que Teerã não desenvolverá uma arma nuclear.

Estadão Conteúdo

05 de abril de 2015 | 12h37

"O povo americano quer que o Senado dos Estados Unidos avalie esse acordo", disse Corker ao canal de televisão Fox News. "É muito importante o Congresso estar no meio disso, entendendo, avaliando, fazendo as perguntas importantes", disse o parlamentar.

Ele disse estar pressionando por detalhes do acordo alcançado na última quinta-feira entre Teerã e um grupo de seis potências mundiais. Corker também pretende manter o plano do comitê de votar em 14 de abril a legislação que evita que o presidente Barack Obama anule sanções parlamentares ao Irã por 60 dias, permitindo assim que o Congresso avalie e vote sobre qualquer acordo final. A Casa Branca tem ameaçado vetar o projeto.

A Casa Branca já afirmou que a interferência do Congresso pode prejudicar as negociações, mas Corker disse que já está próximo de garantir os 67 votos necessários para anular um veto presidencial ao seu projeto. "Se o presidente sente que isso é algo bom para o país, com certeza ele pode vender isso ao Senado e à Câmara", afirmou.

Corker disse ainda que existem diversas questões que podem tornar o acordo inaceitável, como por exemplo se as sanções contra o Irã serão suspensas imediatamente ou diminuídas ao longo do tempo. Outra questão gira em torno de o Irã detalhar as dimensões do seu programa nuclear. "Muitos detalhes ainda são desconhecidos neste ponto, então não sei como alguém pode já assegurar que isso é algo bom ou ruim", avaliou Corker. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIrãacordonuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.