U.S. Senate TV/Handout via Reuters
U.S. Senate TV/Handout via Reuters

Senador republicano e ex-candidato à presidência vota por condenação de Trump

Para Mitt Romney, o presidente é culpado de um 'abuso chocante da confiança pública'

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2020 | 17h33
Atualizado 05 de fevereiro de 2020 | 18h52

WASHINGTON - O senador republicano Mitt Romney (Utah) votou nesta quarta-feira, 5, pela condenação do presidente americano, Donald Trump, na acusação de obstrução de justiça no julgamento por sua destituição no Senado.

"O presidente é culpado de um abuso chocante da confiança pública", disse o ex-candidato à presidência em 2012 em um discurso no Senado, pouco antes da votação. "Corromper uma eleição para se manter no poder talvez seja a violação mais abusiva e destrutiva do juramento ao cargo de alguém que eu possa imaginar", disse Romney.

O senador foi o único republicano a condenar Trump, enquanto o Senado avaliou os artigos da Câmara dos Deputados, que pediam a destituição do presidente por abuso de poder e obstrução do Congresso.

Como previsto, Trump foi absolvido nesta quarta-feira. Embora o caso tenha dividido o país, não parece ter prejudicado a imagem do presidente entre os seus partidários, em um período crucial no qual busca a reeleição.   

Trump foi denunciado ao Congresso pela maioria democrata da Câmara dos Deputados por abuso de poder e obstrução em dezembro. Após quase três semanas de audiências, ele foi absolvido por um Senado dominado pelos republicanos.  

A Constituição americana exige a maioria de dois terços, o equivalente a 67 votos das 100 cadeiras do Senado, para que o presidente seja condenado. Trump sabia, por sua vez, que podia contar com o apoio de ao menos 52 dos 53 senadores republicanos. 

Para Entender

As etapas do processo de impeachment de Trump no Senado

Julgamento de presidente dos Estados Unidos começa no Senado, que vai definir audiências e decidir se convoca testemunhas; maioria republicana deve absolver Trump

A votação começou às 16h (em Washington, 18h de Brasília). "Donald Trump será absolvido para sempre", antecipou sua assessora Kellyanne Conway, em resposta aos democratas, para quem o presidente continuará sendo "acusado para sempre".  

Os democratas queriam o impeachment de Trump por ele tentar forçar a Ucrânia a investigar seu possível oponente presidencial Joe Biden, com ameaças de bloqueio de US$ 391 milhões da ajuda militar crucial para este país em guerra, além de acusá-lo de tentar impedir a investigação do Congresso após essa denúncia.  

Embora o encerramento do julgamento político não signifique o fim das investigações dos democratas contra o presidente, dá a Trump impulso em sua corrida pela reeleição, após um tumultuado primeiro mandato./AFP 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.