Senadora colombiana é afastada por elo com Farc

Mediadora da libertação de sequestrados, Piedad Córdoba teria trocado e-mails com guerrilha e dado instruções

, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2010 | 00h00

BOGOTÁ

Considerada uma das principais mediadoras entre o governo e a guerrilha na Colômbia, a senadora Piedad Córdoba foi destituída ontem pela Procuradoria-geral de Bogotá, acusada de colaborar e promover as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Além da destituição, a Justiça determinou que Piedad fique inelegível por 18 anos.

Advogados da senadora prometeram lutar para reverter a decisão. Mas a medida, tomada pelo procurador-geral Alejandro Ordóñez, não é passível de apelação. O único recurso que Piedad pode fazer uso é submeter novamente o processo ao procurador-geral - o mesmo que decidiu sua "sanção disciplinar".

Piedad não se pronunciou sobre a decisão.

Desde janeiro de 2008, a senadora colombiana conseguiu que as Farc entregassem, unilateralmente, mais de dez políticos e militares mantidos como reféns na selva. O governo colombiano, porém, tem criticado a proximidade de Piedad com a guerrilha e com o presidente venezuelano, Hugo Chávez.

Entre os crimes supostamente cometidos pela senadora, estaria a instrução a guerrilheiros de não divulgar vídeos de sequestrados, mas só gravações de voz. Piedad teria também "ultrapassado os limites legais", ao trocar mensagens com a guerrilha sob os codinomes "Teodora" e "La Negra".

Segundo Ordóñez, parte das provas contra Piedad veio do computador de Raúl Reyes, o "chanceler" das Farc morto em território equatoriano há dois anos. A destituição teria sido finalmente autorizada com base em interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça entre líderes das Farc e a senadora, além de informações reveladas por Viktor Tomnyuuk, agente infiltrado que teve contato com o comandante da chamada "Frente 30", conhecido como "Mincho". / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.