Wilfredo Lee/AP Photo
Wilfredo Lee/AP Photo

Senadora negra ataca Joe Biden no debate dos pré-candidatos democratas

Kamala Harris relembrou em debate que Biden afirmou ter trabalhado com segregacionistas na década de 70; Donald Trump apelidou o candidato de 'dorminhoco'

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2019 | 21h43

WASHINGTON - O ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, favorito nas pesquisas para a indicação democrata para as eleições presidenciais de 2020, mostrou-se na quinta-feira, 27, vulnerável aos ataques de seus concorrentes, questionado principalmente pela senadora Kamala Harris, no segundo dia de debates entre os pré-candidatos do Partido Democrata.

Harris, senadora da Califórnia e a única mulher negra na disputa, exibiu seu talento político durante o encontro, especialmente quando acusou Biden de ter trabalhado com racistas. Ela recordou uma posição adotada pelo ex-vice-presidente na década de 70 em relação à segregação racial na educação pública.

Nesta sexta-feira, 28, Harris colheu os frutos de seu desempenho e disse em entrevista a uma emissora de TV que tem “grande respeito” pelo ex-vice-presidente, mas que também tem a vontade de vencer as primárias democratas, para derrotar Donald Trump em 2020 e se tornar a primeira mulher negra a presidir o país.

Dorminhoco

De Osaka, no Japão, sede da cúpula do G-20, Trump aproveitou o tropeço de Biden para criticar mais uma vez o pré-candidato democrata. “Estou no Japão, no G-20, representando bem nosso país, mas ouvi que não foi um bom dia para Joe, o dorminhoco”, escreveu o presidente americano no Twitter, acrescentando que Biden estava “esgotado”.

O debate democrata foi dividido em duas partes, com dez candidatos cada noite, em razão da inusitada quantidade de pré-candidatos. Durante a segunda parte, na noite de quinta-feira, a senadora Harris, quarta colocada na maioria das pesquisas de intenção de voto, levou por um momento a discussão com Biden para o campo racial.

“Eu não acho que você seja racista, mas foi doloroso ouvi-lo falar sobre a reputação de dois senadores dos EUA que construíram sua reputação e carreira na segregação racial”, disse Harris a Biden.

A senadora estava se referindo a uma celeuma criada recentemente pelo próprio Biden, que declarou ter trabalhado com segregacionistas no Senado anos atrás. “Isso é uma descrição errônea do meu trabalho”, respondeu Biden. “Eu não elogiei os racistas.” / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.