Natacha Pisarenko/AP
Natacha Pisarenko/AP

Em meio a vácuo de poder na Bolívia, senadora se declara presidente interina

Alegando ‘necessidade de criar um clima de paz social’, Jeanine Áñez assume governo em uma sessão legislativa sem quórum e é reconhecida pelo Brasil

Miriam Telma Jemio / Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2019 | 20h07
Atualizado 13 de novembro de 2019 | 06h16

LA PAZ - A senadora Jeanine Áñez se declarou nesta terça-feira, 12, presidente interina da Bolívia em uma sessão legislativa que não teve quórum. Em discurso no Senado, ela alegou a “necessidade de criar um clima de paz social”. O Brasil reconheceu a legitimidade dela no cargo. Desde a renúncia de Evo Morales, no domingo, o país está sem comando. 

“Assumo de imediato a presidência e me comprometo a tomar todas as medidas necessárias para pacificar a Bolívia”, disse Jeanine. “Convocaremos eleições o mais rápido possível.” Na segunda-feira, ela havia dito que convocaria eleições para janeiro

A queda de Evo foi seguida pela renúncia do vice-presidente, Álvaro García Linera, e dos líderes do Senado, Adriana Salvatierra, e da Câmara dos Deputados, Victor Borda. A primeira que restou na linha sucessória foi Jeanine, segunda vice-presidente do Senado.

No domingo, quando Evo renunciou, Jeanine estava no Departamento de Beni e foi levada às pressas para La Paz, na segunda-feira. De acordo com ela, uma opositora ferrenha do ex-presidente, as novas eleições presidenciais seriam antes de 22 de janeiro. 

Antes de Jeanine se declarar presidente, a sessão do Congresso que oficializaria seu nome teve de ser adiada por falta de quórum – o bloqueio de ruas feito por partidários de Evo impediu a chegada de deputados e senadores. 

Os manifestantes, a maioria camponeses de zonas rurais e partidários de Evo que marcharam desde a cidade vizinha de El Alto, carregavam bandeiras indígenas e gritavam palavras de ordem em apoio ao ex-presidente. O destino das marchas era a Praça Murillo, centro do poder em La Paz. 

O centro da capital, no entanto, está isolado. A polícia, com apoio de soldados do Exército, cercou a Praça Murillo com barricadas e arames. Nos arredores, concentram-se centenas de apoiadores do líder oposicionista Luis Fernando Camacho, que vem se tornando a face radical mais conhecida do movimento contra Evo.

O Movimento ao Socialismo (MAS), partido de Evo, que ainda tem maioria no Parlamento, pediu garantias de segurança à polícia para que seus deputados possam entrar e sair da Assembleia. A deputada Betty Yañíquez, líder do MAS, indicou hoje que aceitaria a oficialização de Jeanine como presidente da Bolívia. “Vamos agir sob o guarda-chuva da Constituição”, disse Yañiquez. 

Para Entender

Renúncia de Evo deixa vácuo de poder na Bolívia

Neste momento, ninguém sabe quem comanda o país; senadora opositora reivindica direito de assumir presidência; veja a lista de autoridades que renunciaram

“Vários deputados do MAS querem trabalhar pela Bolívia, mas não estão conseguindo porque há diferentes bloqueios em suas regiões. Peço que nossos seguidores vão à Praça Murillo para garantir a sucessão constitucional e que a senadora Jeanine Áñez assuma.”

Do lado de fora, o maior sindicato dos trabalhadores da Bolívia pediu aos políticos que restaurassem a ordem em até 24 horas, ameaçando realizar uma greve geral se o prazo não for cumprido. “A Central Obreira da Bolívia (COB) se dirige aos líderes políticos e cívicos que causaram todo esse caos. Damos a eles 24 horas para restaurar a ordem constitucional”, afirmou o diretor da central sindical, Juan Carlos Huarachi, antes da suspensão das sessões.

Opositora seria segunda mulher a governar o país 

Entre lágrimas, a opositora aceitou na segunda-feira a difícil tarefa que lhe encomendaram: assumir a presidência interina da Bolívia, papel que lhe cabe segundo a ordem constitucional do país. Ela seria a segunda mulher a governar a Bolívia – depois de Lidia Gueiler, que também ocupou o cargo interinamente, entre 1979 e 1980.

Jeanine Áñez, de 52 anos, nasceu em Trinidad, Departamento de Beni. Em 2010, foi eleita senadora da Bolívia pelo partido do Plano Progresso para a Bolívia – Convergência Nacional (PPB-CN). Na última eleição de 2015, participou da sigla Unidad Demócrata.

Entre os anos de 2006 e 2008, a senadora assumiu uma cadeira na Assembleia Constituinte para a redação da nova Carta. Graduada em Ciências Jurídicas e Direito, ela também participou da comissão de organização e estrutura do novo Estado, atuando no Poder Judiciário.

“Estou praticamente há dez anos fazendo oposição e não podemos dizer que estávamos em uma democracia plena. Não se pode falar de democracia quando há perseguidos políticos, quando há exilados políticos, quando a institucionalidade democrática é inexistente no país, quando não se respeita a Constituição”, declarou na segunda-feira.

Ela é casada com o político colombiano Héctor Hernando Hincapié Carvajal, membro do Partido Conservador Colombiano. Em seu perfil no Twitter, ela se define como uma “democrata, autônoma, mãe, e defensora da liberdade e da democracia”. / COM AFP e EFE 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.