Senadores brasileiros se mobilizam por asilo a Snowden, diz David Miranda

Segundo namorado de jornalista ligado a Snowden, é preciso pressionar governo para abrigar americano

ROBERTA PENNAFORT,

17 de dezembro de 2013 | 11h58

RIO - Senadores que investigam os abusos cometidos pela Agência Nacional de Segurança Americana (NSA) estão se mobilizando para que o governo federal conceda asilo político no Brasil ao ex-técnico da CIA Edward Snowden, disse nesta terça-feira, 17, o estudante David Miranda, namorado do jornalista Glenn Greenwald, que revelou em reportagens informações sigilosas, passadas por Snowden, sobre espionagem de governos, empresas e cidadãos feita pela Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos.

"Estamos otimistas. Tenho tido contato com senadores nas últimas três semanas e eles vão se manifestar hoje sobre a carta. Eles podem ajudar a fazer pressão sobre o governo federal", disse Miranda. "O Itamaraty também dará uma resposta. O Brasil é um país grande e forte o suficiente para enfrentar os EUA. A nossa presidente já levantou a voz. O Brasil, se quiser, pode enviar um avião para fazê-lo."

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Snowden estaria disposto a colaborar com as investigações sobre abusos cometidos pela NSA contra o governo, empresas e cidadãos brasileiros em troca de asilo político permanente. O ex-técnico da CIA vive atualmente na Rússia, com um asilo temporário que expirará em julho do ano que vem.

Snowden escreveu uma carta aberta ao povo brasileiro na qual se compromete a auxiliar as investigações feitas no País sobre violações cometidas pela NSA, mas diz que, por não ter um asilo político permanente, sua capacidade de testemunhar está sujeita à interferência do governo americano. Em nenhum trecho da carta, Snowden, que tem asilo temporário na Rússia até 2014, fala explicitamente em um pedido de asilo.

"Muitos senadores brasileiros pediram minha ajuda com suas investigações sobre suspeita de crimes contra cidadãos brasileiros. Expressei minha disposição de auxiliar, quando isso for apropriado e legal, mas infelizmente o governo dos EUA vem trabalhando muito arduamente para limitar minha capacidade de fazê-lo.", escreveu Snowden. "Até que um país conceda asilo permanente, o governo dos EUA vai continuar a interferir em minha capacidade de falar."

De acordo com Miranda, o Ministério das Relações Exteriores também deve dar uma resposta sobre um possível asilo a Snowden. Fontes do Itamaraty, no entanto, negam ter recebido um pedido de asilo e consideram a carta uma tentativa de sondagem sobre essa possibilidade.

Miranda lidera um abaixo-assinado no site  Avaaz por apoio a Snowden. Já são mais de 1,4 milhão de assinaturas. "Qualquer pessoa que entender o que ele fez, deixando a vida dele inteira para denunciar o que foi feito vai assinar", disse.

Mais conteúdo sobre:
Edward SnowdenDavid Miranda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.