Senadores dos EUA acham que Saddam morreu; rei da Jordânia, não

O destino do ex-presidente do Iraque, Saddam Hussein, continua incerto e provocando polêmica. Neste domingo, dois senadores norte-americanos de destaque disseram acreditar que o líder iraquiano possa ter morrido em um ataque dos EUA com mísseis contra um comboio no Iraque. Já o rei Abdullah, da Jordânia, disse a uma televisão norte-americana que é preciso ser prudente e esperar que haja provas conclusivas sobre o destino do deposto governante iraquiano.O jornal britânico "The Observer" deste domingo informa que as tropas dos Estados Unidos lançaram no Iraque, na quarta-feira, um ataque contra um comboio no qual poderiam ter morrido Saddam Hussein e algum de seus filhos. A publicação, que cita fontes militares dos EUA, afirma que especialistas americanos fazem testes de DNA com restos humanos, achados após o ataque, para confirmar se Saddam Hussein se encontra entre os mortos."Não me surpreenderia uma ação militar que conduza à possibilidade de termos matado Saddam Hussein", disse o presidente do Comitê de Inteligência do Senado, o republicano Pat Roberts, em declarações ao canal de TV Fox News.No mesmo programa, o senador democrata Jay Rockefeller, também do Comitê de Inteligência, disse: "Esperamos ter conseguido, mas ainda não sabemos". O rei Abdullah em uma entrevista para ao canal ABC, foi mais cauteloso e disse que "até que não haja provas de que (Hussein) morreu, é preciso presumir que ele está vivo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.