Senegaleses participam em massa de eleições presidenciais

O comparecimento em massa às urnas e as várias falhas na organização caracterizaram as eleições deste domingo no Senegal, nas quais o presidente Abdoulaye Wade tenta a reeleição, em um pleito que também é disputado por outros 14 candidatos.Os eleitores, que acordaram cedo para cumprir seu dever cívico, formaram longas filas em frente aos centros eleitorais da capital e do interior do país, que fecharão suas portas às 15h de Brasília, informam as emissoras de rádio locais.Além do comparecimento em massa de quase cinco milhões de eleitores, a nota dominante foi o atraso dos agentes encarregados das mesas de votação e a falta de cédulas de alguns candidatos, o que fez com que, em alguns casos, a votação começasse duas horas depois do horário previsto.A tinta indelével usada para marcar os eleitores que já haviam votado também foi objeto de polêmica, pois representantes da oposição colocaram em dúvida a confiabilidade de um elemento fundamental que garante a transparência do voto."A tinta desaparece facilmente", lamentou Mamadou Ba, dirigente da Liga Democrática.Ba disse a uma emissora local que havia testado pessoalmente o produto e seus protestos interromperam o processo de votação em seu colégio eleitoral, enquanto exigia uma tinta que fosse realmente indelével.Outros dirigentes políticos, como o deputado socialista Khalifa Sall, denunciaram a mesma irregularidade e afirmaram que a ausência de uma tinta verdadeiramente indelével serve aos propósitos de Wade para renovar seu mandato."Convocamos os representantes dos candidatos opositores a bloquearem as operações até que uma tinta indelével seja fornecida", disse Sall.O secretário-executivo do Encontro Africano para a Defesa dos Direitos Humanos (RADDHO), Alione Tine, lamentou os problemas e disse que eles foram comprovados pelas centenas de observadores mobilizados em todo o país.Vários candidatos presidenciais da oposição haviam denunciado antes manobras do Governo e do grupo governante, o Partido Democrático Senegalês (PDS), para favorecer a vitória de Wade no primeiro turno e evitar o segundo."Vou ganhar no primeiro turno", disse Wade ao votar em um colégio eleitoral da capital. O presidente e candidato liberal justificou seu otimismo pelos testemunhos de seus representantes nas 11 regiões, com os quais afirma ter conversado por telefone.Os relatórios do Ministério do Interior sobre a participação em massa nas urnas indicam que as chances de vitória de Wade são Grandes.Um total de 2 mil observadores nacionais e 450 estrangeiros fiscaliza o desenvolvimento das votações em cerca de 12 mil mesas.AtrasoAs autoridades do Senegal anunciaram uma ampliação de quatro horas no horário de votação para as eleições presidenciais, diante dos atrasos sofridos durante o dia.O Ministério do Interior senegalês anunciou que os colégios eleitorais fecharão às 22h (19h de Brasília). A princípio, a votação terminaria às 18h (15h de Brasília).O processo de votação registrou atrasos em muitas mesas eleitorais e, no momento do fechamento previsto inicialmente, havia muitos eleitores que não tinham votado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.