Senegaleses vão às urnas em meio a protestos

A polícia disparou gás lacrimogêneo contra grupos ruidosos do lado de fora das seções eleitorais localizadas na capital do Senegal durante as eleições deste domingo. Os senegaleses vão decidir se apoiam a renovação do mandato do presidente Abdoulay Wade, de 85 anos, ou se votam a favor do seu rival, que já foi um dia seu protegido.

AE/AP, Agência Estado

25 Março 2012 | 11h58

A decisão de Wade de tentar um terceiro mandato tem enfurecido muitos eleitores deste país na costa oeste da África. Quando o atual presidente votou no mês passado durante o primeiro turno das eleições, alguns eleitores até o vaiaram na seção eleitoral gritando: "homem velho, vai embora!".

Desta vez, milhares compareceram a seção eleitoral de Wade. Dúzias de jovens ficaram em pé sobre seus carros, mostrando seus títulos de eleitores no ar, além de fotos de religiosos influenciais que deram apoio à campanha de Wade.

"Wade não está partindo, ele fica", gritaram os manifestantes em Wolof, uma língua local. Depois de colocar seu voto na urna, Wade andou num carro conversível, lançando seus punhos no ar enquanto dezenas de seus militantes corriam ao lado de seu carro.

Mesmo assim, Wade não conseguiu os 50% necessários dos votos no mês passado para evitar um segundo turno, recebendo apenas 34,82% dos votos - um resultado fraco comparado com sua vitória fácil nas eleições de 2007.

Seu rival nas eleições atuais é o ex-primeiro ministro Macky Sall, que inclusive coordenou a campanha de Wade há cinco anos. Sall recebeu 26,58% dos votos no primeiro turno. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Senegaleleiçãoprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.