Markus Schreiber/AP
Markus Schreiber/AP

'Sentimos raiva', diz Obama após massacre de negros em igreja

Presidente conhecia o reverendo Clementa Pinckney, pastor da igreja atacada por atirador branco que matou 9 pessoas

O Estado de S. Paulo

18 de junho de 2015 | 15h51

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quinta-feira estar com raiva, angústia e tristeza em virtude do ataque a tiros sem sentido a uma igreja de negros na Carolina do Sul. O líder democrata afirmou que os americanos precisam enfrentar o fato de que incidentes frequentes de violência com armas não acontecem em outros países desenvolvidos.

"Dizer que nossos pensamentos e orações estão com eles e suas famílias e sua comunidade não é dizer o bastante diante da angústia e tristeza e raiva que sentimos", disse Obama, acrescentando que estava especialmente desolado pelo fato de o ataque ter ocorrido em um local de orações.

Obama, em declaração a repórteres na Casa Branca, disse que ele e sua mulher, Michelle, conheciam o reverendo Clementa Pinckney, pastor da tradicional igreja afro-americana em Charleston que foi morto junto com outras oito pessoas na noite de quarta-feira.

Obama tem tido um papel de consolador após uma série de casos de mortes por armas de fogo nos Estados Unidos durante sua presidência. Após as mortes de 2012 em uma escola de Newtown, no Estado de Connecticut, o presidente lançou uma campanha agressiva pelo controle das armas, mas seus esforços em grande parte fracassaram no Congresso.

A Constituição dos EUA protege o direito dos norte-americanos de possuir uma arma, mas há discussões políticas sobre a amplitude desses direitos./ REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
CharlestonEUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.