Separatistas enfrentam militares na Ucrânia e rejeitam largar armas

Plano de paz proposto pelo presidente ucraniano pedia que os rebeldes entregassem o armamento 

O Estado de S. Paulo

19 de junho de 2014 | 11h49

KIEV - Militares ucranianos e separatistas pró-Rússia se enfrentaram no leste da Ucrânia nesta quinta-feira, 19, depois que rebeldes rejeitaram o pedido para abandonarem as armas, disseram forças do governo. O pedido faz parte do plano de paz proposto pelo presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko.

Os confrontos começaram por volta das 4h (horário local) perto da cidade de Krasny Liman, que está sob controle do governo desde o início do mês. "Nós emitimos um ultimato para os terroristas durante a noite para que entregassem suas armas. Nós garantimos a segurança deles e uma investigação em linha com as leis ucranianas. Eles recusaram", disse o porta-voz das forças do governo Vladyslav Seleznyov.

"Agora estamos tentando fechar o cerco. Eles estão tentando rompê-lo", acrescentou. Não há outros detalhes do confronto.

Poroshenko, empossado como presidente em 7 de junho, está tentando implementar um plano de paz para encerrar a rebelião separatista, e propôs uma oferta de cessar-fogo unilateral por parte das forças do governo e uma anistia aos separatistas que abandonassem as armas.

O presidente ucraniano deverá ter um encontro mais tarde com autoridades regionais de Donetsk e Luhansk, no leste do país, para explicar seu plano, mas descartou encontrar-se com separatistas pró-Rússia. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.