Sequestrador de Cleveland pega prisão perpétua

O norte-americano Ariel Castro foi condenado à prisão perpétua, sem direito a condicional, por manter três mulheres em cativeiro em sua casa e estuprá-las por mais de dez anos. A sentença de Castro, de 53 anos, foi divulgada nesta quinta-feira.

Agência Estado

01 de agosto de 2013 | 15h25

Ele se declarou culpado de 937 acusações, dentre elas homicídio qualificado, sequestro, estupro e agressão. Um acordo feito na semana passada evitou a possibilidade de pena de morte por ter espancado e deixado sem comida uma vítima grávida, até que ela sofresse um aborto, mas ele pegou prisão perpétua pelas acusações mais graves.

Castro pediu desculpas e disse ao tribunal que é viciado em pornografia, mas afirmou que na maior parte do tempo o sexo com as mulheres era consensual. "Estas pessoas estão tentando me pintar como um monstro", disse ele. "Eu não sou um monstro. Eu estou doente."

As mulheres desapareceram em circunstâncias separadas entre 2002 e 2004, quando tinham 14, 16 e 20 anos. Elas escaparam no dia 6 de maio quando uma delas, Amanda Berry, quebrou parte da porta da casa de Castro e gritou pedindo ajuda aos vizinhos.

Castro declarou nesta quinta-feira que sabe que o que fez foi errado, mas que não é uma pessoa violenta, que as mulheres pediam sexo e não foram torturadas. As mulheres descreveram as condições horríveis da casa, que Castro transformou numa prisão improvisada.

Uma das três mulheres sequestradas disse a Castro hoje que sua vida está apenas começando, enquanto a dele, acabou. "Você tomou 11 anos da minha vida, mas eu a tenho de volta", disse Michelle Knight a Castro. "Eu passei 11 anos no inferno. Agora o seu inferno está apenas começando. Eu vou superar tudo o que aconteceu, mas você vai enfrentar o inferno eterno."

Knight, de 32 anos, não olhou para Castro enquanto falava, mas ele olhou para ela várias vezes após ela ter entrado na sala do tribunal. Ela foi a primeira mulher sequestrada por Castro, em 2002, depois de ele atraí-la para sua casa, prometendo um filhote de cachorro para seu filho.

O agente do FBI Andrew Burke disse que Castro transformou sua casa numa prisão ao criar um sistema de alarme improvisado e acorrentando as mulheres em quartos trancados.

As janelas estavam fechadas pelo lado de dentro com pesadas portas de armário e as maçanetas foram removidas e substituídas por várias travas, disse Burke. A casa foi dividida de forma a esconder a existência dos quartos, revelou ele.

Uma das mulheres teve um capacete de motocicleta colocado em sua cabeça no período em que ficou acorrentada no porão. Mais tarde, quando tentou escapar, o fio de um aspirador de pó foi amarrado ao redor de seu pescoço.

Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAClevelandsequestromulheres

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.