Seqüestradores de soldado israelense dão ultimato

Os três grupos de militantes palestinos que seqüestraram o soldado israelense Guilad Shalit deram prazo até as 6 horas de amanhã, 4 de julho, para o início da libertação de prisioneiros palestinos, ou Israel terá de "arcar com todas as conseqüências futuras".O anúncio, enviado nesta segunda-feira por fax para agências de notícias, não explica o que tais conseqüência significam. "Nós damos ao inimigo sionista o prazo até 6 horas de amanhã, terça-feira, 4 de julho", diz o texto."Se o inimigo não responder às nossas demandas humanitárias mencionadas em panfletos anteriores sobre as condições para negociar a questão do soldado desaparecido, nós consideraremos fechado o registro do soldado. Então, o inimigo deve agüentar todas as conseqüências dos resultados futuros". O conteúdo do fax também foi colocado no site oficial da ala militar do Hamas. Ele tem o mesmo cabeçalho e tipo de letra dos três comunicados já divulgados pela facção.Inicialmente, o grupo havia exigido a libertação de cerca de 500 mulheres e menores mantidos prisioneiros por Israel, mas agora pede que mais mil prisioneiros sejam soltos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.