Seqüestradores exigem resgate por funcionários da ONU

Os seqüestradores de um grupo de observadores militares das Nações Unidas exigem US$ 1,5 milhão para libertá-los, informa uma estação de TV da ex-república soviética da Geórgia. Uma alta autoridade do governo disse que o resgate não será pago.A TV Rustavi 2 informa que um dos quatro reféns telefonou para a missão da ONU em Sukhumi, capital da província separatista de Abcázia, para transmitir a exigência. Representantes da ONU na Geórgia recusaram-se a comentar a notícia.Mais tarde, o vice-presidente do Conselho de Segurança Nacional, Dzhemal Gakhokidze, informou que nem a ONU e nem o governo do presidente Eduard Shevardnadze pretendem pagar um resgate pela libertação dos reféns.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.