Seqüestradores mudam de emissora para dar maior destaque a exigências

Os seqüestradores da jornalista americana Jill Carol possivelmente mudaram o destino das filmagens de sua refém com esperança de dar mais visibilidade às suas exigências. Ao invés de enviarem a terceira fita para a já mundialmente conhecida Al-Jazira (emissora que recebeu as duas primeiras gravações), mandaram sua última mensagem para a desconhecida Al-Rai, com sede no Kuwait.Segundo editor da Al-Jazira (que não quis se identificar, pois está proibido de tocar no assunto com a imprensa), os seqüestradores - intitulados "A Brigada da Vingança" - decidiram enviar a fita para uma emissora que a transmitiria na íntegra, sem cortes na imagem ou no som. As fitas anteriores tiveram o áudio cortado por opção da rede de televisão. Esta última filmagem, porém, não foi editada. A Al-Rai afirma que transmitiu os 22 segundos da fita na íntegra.No entanto, para um oficial do alto escalão da polícia iraquiana, a mudança de estações se deve ao medo, por parte dos seqüestradores, da proximidade entre a Al-Jazira e o governo iraquiano. Segundo ele, a rede de TV poderia colaborar com o caso. Aproximadamente 250 jornalistas foram seqüestrados e 39 assassinados no Iraque desde o início da ocupação norte-americana, em 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.