Seqüestradores querem negociar libertação de funcionários na Nigéria

Um grupo armado da Nigéria seqüestrou nesta sexta-feira 16 funcionários, oito dos quais estrangeiros, de uma plataforma petrolífera norueguesa no sul do país. Os seqüestradores ofereceram uma negociação para a libertação dos reféns, seis britânicos, um americano e um canadense que foram capturados em uma refinaria no Delta do rio Níger. "Acreditamos que o grupo de seqüestradores está em contato com companhias locais sobre as negociações", informou a porta-voz da empresa petrolífera que atua na região, Sheena Wallace. Ela não informou os nomes dos estrangeiros capturados, as exigências de seus captores ou o grupo responsável pela ação. A plataforma na qual os seqüestrados trabalhavam é operada pela filial da Fred Olsen Dolphin Drilling, que perfura a jazida para a companhia nigeriana Peak Petroleum.O seqüestro voltou a gerar intranqüilidade na rica regiãopetrolífera do delta do rio Níger. Segundo a TV nigeriana, o grupo foi seqüestrado porque a companhia havia se negado a assinar um memorando de entendimento com as comunidades da região para atender às suas necessidades.O porta-voz da polícia, Haz Iwendi disse na capital Abuja, que nenhum grupo assumiu a responsabilidade do ataque e que exigências ainda não foram feitas"Agências de segurança estão rastreando os seqüestradores para assegurar a libertação dos reféns o mais rápido possível", acrescentou. A porta-voz do governo, Remi Oyo disse que a a"abdução foi o resultado de um desentendimento entre comunidades locais e a companhia petrolífera envolvida". Ela não forneceu mais detalhes. MendAs suspeitas iniciais do seqüestro apontaram para o Movimento ara a Emancipação da região do Delta do rio Níger (Mend, em nglês), mas a organização negou qualquer ligação com o ocorrido.O Mend seqüestrou recentemente dois grupos diferentes detrabalhadores estrangeiros na mesma região da Nigéria, para exigir ais atenção das autoridades para as necessidades das comunidades da região de Delta.Entre as exigências do Mend está o pagamento de US$ 1,8 bilhão or parte da Shell como forma de compensação ambiental.Proteção da Marinha Em meio a tensão causada pelos seqüestros, o presidente nigeriano Olusegun Obasanjo prometeu mais verbas para a Marinha para ajudar a proteger os bens petrolíferos do país no Golfo da Guinea. "Temos que assegurar que nosso ganho econômico, que é marítimo, esteja seguro", afirmou Obasanjo durante um desfile celebrando o 50º aniversário da Marinha do país.A Nigéria é o maior produtor africano de petróleo e o sexto entre as nações integrantes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).Sua produção, de 2,5 milhões de barris diários, caiu nos últimos meses devido às ações de homens armados na região do delta, que buscam compensações econômicas para suas empobrecidas comunidades.Apesar de ser rica em petróleo, a Nigéria é o vigésimo país mais pobre de planeta. De toda a população do país, 70% vivem com menos de um dólar por dia, segundo dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.