Seqüestradores querem trocar soldado por mil prisioneiros

Os milicianos que capturaram o soldado israelense Gilad Shalit, de 20 anos, há dez meses exigiram a libertação de mil prisioneiros palestinos. O ministro da Informação e porta-voz do governo da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mustafá Barghouti, disse neste sábado, 7, que os mediadores egípcios já enviaram a lista dos prisioneiros ao governo israelense, que terá neste domingo sua reunião semanal.O primeiro da lista, segundo as fontes palestinas, é MarwanBarghouti, um dos políticos de maior prestígio da região e deputadodo movimento nacionalista Fatah, condenado há três anos à prisãoperpétua, acusado de ser autor intelectual do assassinato de cinco civis israelenses. Também integram a lista presos que estão doentes, mulheres e adolescentes.Israel aceitou em ocasiões anteriores trocar soldados, civis e, em alguns casos, cadáveres, por prisioneiros palestinos. Mas semprese negou a libertar os que considera "ter as mãos manchadas desangue".Fontes do governo israelense admitiram "progressos" nas negociações da troca, com a mediação de uma delegação da organização da segurança egípcia com sede em Gaza, mas alertaram que a concretização "ainda está longe". O presidente da ANP, Mahmoud Abbas, afirmou sexta-feira que "a libertação do soldado Shalit está próxima".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.