Seqüestro de avião turco termina na Itália

O homem turco que seqüestrou um avião da Turkish Airlines nesta terça-feira entregou-se cerca de duas horas após a aterrissagem da aeronave no aeroporto de Brindisi, na Itália. O Boeing 737-400 levava 113 pessoas da Albânia para Istambul, na Turquia, e foi seqüestrado em espaço aéreo grego. Segundo autoridades italianas, os passageiros também deixaram a aeronave, todos em bom estado de saúde.Segundo relatado inicialmente por funcionários da Turkish Airlines, o avião teria sido seqüestrado por dois homens turcos que queriam protestar contra a visita do papa Bento XVI à Turquia, marcada para o mês que vem. Mais tarde, no entanto, funcionários do alto escalão do governo turco disseram que apenas um homem, identificado como Hakan Ekinci, seqüestrou o avião. Sua intenção, ainda de acordo com eles, seria conseguir asilo político na Itália. "Não tem nada a ver com a visita do papa; foi uma simples tentativa de conseguir asilo político sob influência de problemas psicológicos", disse o ministro dos Transportes turco, Binali Yildirim.Ainda assim, agentes de segurança da cidade de Brindisi afirmaram que o seqüestrador gostaria de enviar uma mensagem ao papa Bento XVI. Eles não souberam dizer, entretanto, qual era a mensagem. Ao término do seqüestro, os passageiros da aeronave foram interrogados um a um para confirmar suas identidades e descartar qualquer possibilidade de que o suspeito tenha agido com a ajuda de um cúmplice.Texto atualizado às 17h55 para o acréssimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.