Seqüestro de bebê comove Itália

O seqüestro do bebê Tommaso Onofri, de 17 meses, está comovendo a Itália. Além de ser epiléptico, o garoto depende de medicamentos. Tommaso foi levado por uma quadrilha que antes invadiu sua casa, imobilizou seus pais, e roubou uma pequena quantia em dinheiro. "Estamos mobilizando todos os nosso homens para encontrar o menino e prender os seqüestradores", disse um porta-voz da polícia. O crime ocorreu na noite de hoje, no povoado de Casalbaroncolo, nas proximidades de Parma, quando a família de Tommaso jantava. Sem que nenhum vizinho percebesse, três homens mascarados desligaram a energia elétrica da residência. Quando Paolo Onofri, pai do bebê, foi ao quintal para verificar o relógio de luz, os seqüestradores, armados de pistolas e facas, o dominaram. Em seguida, Paolo foi imobilizado, com cordas, junto da mulher e do filho de oito anos. Tommaso dormia no quarto. Enquanto isso, os criminosos vasculharam a casa à procura de dinheiro e jóias. Como não encontraram nada muito valioso, apenas o equivalente a R$ 450 - os homens voltaram para a sala. Antes de sair, porém, foram ao quarto onde Tommaso dormia e levaram o bebê. Testemunha afirmam que o criminosos fugiram em um automóvel. Paolo e sua mulher ficaram desesperados, pois, além de ser epiléptico, o menino estava com febre alta e depende de vários medicamentos contra bronquite. "Nosso medo é que os bandidos não saibam como agir caso ele (Tommaso) tenha uma crise", disse o pai. Paolo é funcionário dos Correios. Depois de ser notificada, a polícia de Parma se mobilizou para procurar os criminosos. Para tanto, helicópteros e cães farejadores estão sendo utilizados na caçada. Até a noite de hoje, os policiais tinham feito poucos progressos na operação, mas conseguiram encontrar, a um quilômetro da casa de Tommaso, o carro utilizado pelos bandidos para o seqüestro. "Esperamos resolver tudo nas próximas horas", disse um dos porta-vozes.

Agencia Estado,

03 Março 2006 | 19h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.