Sequestro de menino de 5 anos no Alabama chega ao 3º dia

Três dias após ter atirado no motorista de um ônibus escolar, fugido levando consigo uma criança de cinco anos e ter se escondido em um bunker subterrâneo em uma área rural dos EUA, Jimmy Lee Dykes ainda não deu sinais à polícia. Negociadores de reféns tentam se comunicar, por meio de um tubo de ventilação estreito que vai até o local, com o homem de 65 anos, que tem opiniões contrárias ao governo e que se recusa a libertar o garoto. Um dos policiais informou que a criança tem chorando por seus pais.

AE, Agência Estado

01 de fevereiro de 2013 | 15h55

Dyke, descrito pelos vizinhos como ameaçador e violento, é acusado de ter escolhido o garoto ao acaso ao retirá-lo de um ônibus na terça-feira (29) e matado o motorista que tentava proteger as 21 crianças que estavam no veículo. O homem armado levando a criança se escondeu dentro de pequeno espaço subterrâneo em sua propriedade que as autoridades acreditam ser um abrigo contra tornados, comum na área rural do sul do país,

Uma autoridade do estado disse que o abrigo tem eletricidade, alimentos e TV e que os sinais são de que a situação deve durar algum tempo ainda. "Esses últimos três dias não têm sido fácil para ninguém", afirmou o xerife de Dale County, Wally Olson nesta quinta-feira. Ele disse que o principal objetivo dos policiais e levar o garoto de volta para casa a salvo. "Não existe razão para acreditar que a criança está machucada", acrescentou Olson.

O policial chefe da cidade vizinha de Pinckard, James Arrington, afirmou que o sequestrador tem estado dormindo e disse aos negociadores que ele já passou longos períodos no abrigo antes. "Ele vai ter de sair uma hora ou outra porque os policias não vão deixar o local", afirmou Arrington. "O local é muito pequeno, mas ele é conhecido por ter permanecido nele por oito dias."

O deputado estadual Steve Clouse, que reuniu-se com as autoridades e visitou a família do menino, contou que a mãe do garoto informou que ele tem síndrome de Asperger, um tipo de desordem parecido com autismo, além de déficit de atenção. A polícia tem enviado remédios para o garoto pelo tubo de ventilação.

A movimentação em torno do abrigo aumentou no começo da manhã desta sexta-feira, quando um time de policiais uniformizados, muitos com armas, chegaram ao local em uma van.

Dykes é conhecido pela vizinhança como um homem de humor instável, com opiniões contrárias ao governo, que ameaça os vizinhos com armas e é cruel com animais de estimação.

Vizinhos dizem que Dykes espancou um cachorro até a morte com um cano de chumbo, ameaçou atirar em crianças que entraram em sua propriedade e patrulhava seu jardim com uma lanterna e uma arma de fogo.

O motorista do ônibus, Charles Albert Poland Jr., de 66 anos, foi considerado um herói por ter dado sua vida para proteger 21 crianças que estavam no veículo. Segundo as autoridades, a maioria das crianças correu para a parte traseira do ônibus quando o Dykes invadiu o veículo e disse que queria dois meninos, de 6 e 8 anos de idade.

Quando o atirador entrou no corredor, Poland tentou impedir sua passagem. Foi nesse momento, de acordo com as autoridades, que Dykes atirou quatro vezes contra o motorista antes de pegar uma criança e fugir.

Autoridades federais não revelaram detalhes sobre a situação ou sobre a investigação.

Dykes deveria ter comparecido ao tribunal na manhã de quarta-feira (30) para responder às acusações de ter atirado em seus vizinhos no mês passado, por causa de uma lombada na estrada.

Registros na Corte mostram que Dykes foi preso na Flórida em 1995 por exibição imprópria de armas, mas a contravenção foi descartada. As circunstâncias da prisão não foram detalhadas em sua ficha criminal. Ele também foi preso por posse de maconha em 2000. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAlabamasequestrador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.