Reuters
Reuters

Sequestro na Argélia termina após morte de mais 7 reféns estrangeiros

Ofensiva militar acabou com 4 dias de impasse; entre reféns e sequestradores, mais de 40 foram mortos

O Estado de S.Paulo,

19 de janeiro de 2013 | 15h11

Com a morte de mais 7 reféns e 11 terroristas, as forças de segurança da Argélia puseram fim neste sábado a quatro dias de sequestro na refinaria de gás de In Amenas, perto da fronteira com a Líbia. O fim da crise, que na quinta-feira já tinha causado a morte de 12 reféns e 18 sequestradores - durante uma frustrada tentativa de resgate - foi confirmado pela agência de notícias estatal da Argélia e outros dois governos estrangeiros.

As fontes não esclareceram a nacionalidade dos reféns mortos, mas na última tentativa de uma saída negociada para o impasse, os sequestradores informaram que tinham em seu poder 7 reféns, todos estrangeiros - três belgas, dois americanos, um japonês e um britânico. De acordo com uma rádio da Argélia, eles foram executados pelo grupo terrorista logo depois de as forças de segurança terem lançado a ofensiva.

No ataque de quinta-feira, pelo menos 7 dos 12 reféns mortos eram estrangeiros.

O grupo de sequestradores ligado à rede terrorista Al-Qaeda havia tomado o complexo na quarta-feira em retaliação à intervenção da França no vizinho Mali, que impediu o avanço de rebeldes islâmicos que estavam controlando parte do país.

Os militantes argelinos exigiam que a Argélia fechasse seu espaço aéreo para os caças franceses que se dirigem ao Mali e a libertação de vários líderes radicais islâmicos presos, incluindo o xeque cego Omar Abdel Rahman, que participou do ataque ao World Trade Center, em 1993.

O governo argelino, no entanto, como tem sido comum no país, privilegiou a solução militar em lugar da negociação com os terroristas. De acordo com uma das proprietárias da refinaria, a companhia argelina Sonatrach, o grupo de sequestradores espalho minas por todo o complexo, com a intenção de explodi-lo. No comunicado, a Sonatrach informou que o trabalho de retirada das minas já havia começado neste sábado mesmo.

Tudo o que sabemos sobre:
Argéliasequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.