Seqüestros em massa continuam em Bagdá

Dezenas de passageiros de ônibus podem ter sido seqüestrados em postos de controle militares de Bagdá, informou a polícia iraquiana nesta quinta-feira segundo a agência de notícias Reuters. A notícia vem à tona no momento em que membros do governo discutem entre si se os funcionários do Ministério do Ensino Superior seqüestrados na terça-feira sofreram tortura. De acordo com a agência, seis miniônibus que levavam xiitas por uma região predominantemente sunita de Bagdá desapareceram depois de serem atacados por homens armados nos postos falsos. Em outros episódios de violência que demonstram a falta de controle do governo e das forças americanas no Iraque, 15 pessoas foram levadas do centro da cidade no noite desta quinta-feira. Outros nove foram fuzilados em uma padaria. A última abdução em massa aconteceu à luz do dia no distrito sunita de Adil, na ala oeste de Bagdá. Segundo a polícia, os extremistas sunitas estão agora atacando passageiros de miniônibus e vans que levam passageiros para áreas xiitas próximas, como o bairro de Kadhimiya. "Não sabemos ao certo quantas pessoas foram levadas", disse uma fonte da polícia à Reuters. Segundo um oficial, o episódio pode ser uma reprise do ataque à sede do Ministério de Ensino Superior da última terça-feira, quando dezenas de pessoas foram capturadas. As tensões entre sunitas e xiitas iraquianos, amplificados pelos ataques sectários e pelos recentes seqüestros, foram refletidas também dentro do governo. O ministro do Ensino Superior, que é de origem sunita, anunciou que irá boicotar o gabinete até que a ação da terça-feira seja esclarecida. "Não há governo efetivo", disse ele em entrevista à BBC.

Agencia Estado,

16 Novembro 2006 | 20h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.