Série de ataques e tiroteio matam ao menos 25 no Iraque

Atentados a bomba atingem duas mesquitas durante celebração xiita; ataque a tiros contra ônibus mata seis

Agências internacionais,

02 de outubro de 2008 | 05h19

A violência no Iraque deixou nesta quinta-feira, 2, pelo menos 25 mortos e 50 feridos em dois ataques suicidas e um tiroteio, segundo informou a polícia. Os atentados foram cometidos próximos a mesquitas xiitas em Bagdá, onde morreram pelo menos 19 pessoas no momento em que os fiéis celebravam o Eid al-Fitr, festival que marca o fim do mês sagrado do Ramadã. A polícia afirma que pelo menos 50 pessoas foram feridas. Outras seis pessoas foram mortas numa emboscada contra um microônibus em Baquba, ao norte da capital.   De acordo com as autoridades de segurança, um homem-bomba se explodiu em Jadida, distrito xiita do sul de Bagdá. No segundo ataque, outro suicida jogou um carro-bomba contra um veículo militar num posto de controle próximo a uma mesquita no bairro de Zafaraniyah. No tiroteio, vários homens armados abriram fogo contra um microônibus na cidade de Wajihiyah, a 97 quilômetros de Bagdá. As vítimas foram duas crianças, três mulheres e um homem, segundo afirou a polícia da província de Diyala.   Segundo a polícia, os ataques a bomba tinham como alvo áreas de predominância de muçulmanos xiitas no leste da cidade. As explosões, nos distritos de Zafaraniya e Jadida foram planejadas para coincidir com o momento em que os fiéis deixavam as mesquitas depois de comemorar o Eid, o fim do mês de jejum diurno, Ramadã.   De acordo com a BBC, o governo do Iraque havia advertido que militantes poderiam promover ataques durante o Ramadã, um dos festivais mais importantes do calendário dos muçulmanos. O Exército iraquiano disse que a violência em Bagdá aumentou nas últimas semanas. Pelo menos 32 pessoas morreram e mais de cem ficaram feridas em uma série de atentados a bomba em Bagdá no domingo.   Matéria atualizada às 8h15.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueatentados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.