Série de explosões mata 61 e fere 300 na Índia

Pelo menos 13 atentados atingiram três cidades do nordeste do país, onde atuam grupos militantes separatistas

Associated Press e Reuters,

30 de outubro de 2008 | 08h04

Autoridades do governo indiano afirmaram nesta quinta-feira, 30, que pelo menos 61 pessoas morreram e mais de 300 ficaram feridas numa série de atentados no conflituoso nordeste da Índia. Segundo a Associated Press, 13 explosões atingiram três cidades da província de Assam; de acordo com a Reuters, o número de atentados pode chegar a 18.   Ninguém assumiu a responsabilidade pelos ataques. A União pela Libertação do Front de Asom, principal grupo separatista, comumente acusada de responsabilidade por ataques, negou envolvimento no caso. A região é alvo de dezenas de grupos militantes separatistas que lutam contra o governo. Cinco explosões ocorreram na capital estadual, Gauhati, matando 31 pessoas, segundo Subhash Das, um alto funcionário no Ministério do Interior estadual; 19 pessoas foram mortas no distrito de Kokrajhar, e outras 11 morreram na cidade de Barpeta - a maioria causada por bombas e pelo menos uma delas por uma granada de mão, atingiram o Estado, segundo o funcionário.   A maior das explosões ocorreu perto do edifício em que estão os escritórios do ministro chefe do Estado. Havia carros em chamas, corpos e fumaça negra na área. Eu estava comprando perto do secretariado quando ouvi três ou quatro fortes explosões. O vidro das vitrines se quebrou e nós começamos a sentir o chão e o edifício tremerem", relatou H. K. Dutt, levemente ferido pelos ataques.   Em Gauhati, um dos ataques atingiu uma zona de alta segurança, com um tribunal e escritóris e casas de altos funcionários da polícia. O Ministro do Interior indiano, Shivraj Patil, já condenou o atentado e pediu um relatório detalhado do incidente às autoridades de Assam, enquanto o chefe do governo, Manmohan Singh, pediu unidade na luta contra o terrorismo.   A polícia informou que havia um alerta vermelho e que outras áreas eram vasculhadas, em busca de bombas que não explodiram. Após os atentados, dezenas de pessoas descontentes com a violência saíram pelas ruas de Gauhati, jogando pedras em veículos e incendiando pelo menos dois automóveis. A polícia impôs um toque de recolher e fechou rodovias que levam à cidade.   Dezenas de grupos militantes separatistas estão ativos no nordeste da Índia, uma região isolada espremida entre Bangladesh, Butão, China e Mianmar. Apenas um corredor liga essa área ao resto do território indiano. Os separatistas acusam o governo central de explorar os recursos naturais da região, fazendo pouco pela população local - muitos deles mais próximos etnicamente dos birmaneses ou chineses que do resto da Índia. Mais de 10 mil pessoas morreram por causa da violência separatista na região, na última década. A Índia também atribuiu vários ataques anteriores a militantes islâmicos de Bangladesh.   Matéria atualizada às 12h20.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.