Série de explosões mata ao menos 37 pessoas no Iraque

Uma série explosões de carros-bomba atingiu, em questão de minutos, diversas áreas de Bagdá e redondezas neste domingo, matando pelo menos 37 pessoas e ferindo mais de 100 em regiões de maioria xiita.

AE, Agência Estado

17 de fevereiro de 2013 | 11h48

O ataque segue uma crescente onda de sectarismo no Iraque, que parece destinado a afetar a confiança da população no governo xiita. As explosões ocorreram no início da semana de trabalho local e tiveram como alvo, sobretudo, mercados ao ar livre.

A violência no Iraque diminuiu desde o auge do sectarismo em 2006 e 2007, mas os insurgentes ainda realizam ataques frequentemente letais contra as forças de segurança civis. Essa foi pelo menos a terceira vez neste mês que os ataques mataram mais de 20 pessoas em um único dia.

A detonação de um carro carregado de explosivos estacionado no distrito xiita de Sadr City deu início à série de ataques na manhã deste domingo. Outros dois carros parados explodiram mais tarde em outros locais da região.

Novas explosões atingiram o bairro de al-Amin, em Bagdá, um mercado em Husseiniya, no nordeste da capital, e em Kamaliya, subúrbio na área leste da cidade. Um outro carro explodiu perto de ruas de comércio e de um carro de polícia no distrito de Karradah.

Não há até o momento reivindicação de responsabilidade pelo ataque, mas ações similares têm sido orquestradas por extremistas sunitas ligados à Al-Qaeda. O grupo, conhecido como Islamic State of Iraq, usa ataques coordenados em larga escala e consideram que os muçulmanos xiitas são hereges e muito alinhados com os vizinhos do Irã.

As explosões deste domingo elevaram para mais de 100 o número de mortos em ataques violentos no Iraque desde o começo do mês. Outros 178 foram mortos em janeiro, de acordo com levantamento da Associated Press. Com informações da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
explosãoBagdá

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.