Serra critica intervenção de Brasil em favor do Irã

O pré-candidato do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) à Presidência da República, José Serra afirmou ontem em Campo Grande (MS), que "o Brasil jamais poderia entrar na questão do enriquecimento de urânio pelo Irã. O Irã não é confiável, um governo violento que manda para a forca, sem piedade, todos os seus opositores". Ele voltou a condenar a Bolívia pela grande quantidade de cocaína que produzida naquele país, e distribuída para o mundo, principalmente para o Brasil.

João Naves de Oliveira, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2010 | 00h00

"É um governo que mantém corpo mole e faz vistas grossas a tudo o que está acontecendo de ruim, em consequência desta droga que é produzida em larga escala na Bolívia", disse.

Depois ressaltou que não está condenando a Bolívia, onde permaneceu durante o período que foi obrigado a deixar o País. "Estou me referindo única e exclusivamente sobre o presidente da Bolívia (Evo Morales), o país é muito bom e foi bom para mim", afirmou o ex-governador de São Paulo.

Ato público. Serra fez as declarações enquanto participava de um ato público promovido pelo PMDB do Mato Grosso do Sul, em apoio a candidatura de reeleição do governador André Puccinelli.

Serra não quis responder a nenhuma Pergunta nada sobre a capitalização da Petrobrás para o pré-sal, aprovada pelo Senado, também se recusou a falar sobre a distribuição de royalties (mais informações sobre Petrobrás no Caderno de Economia).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.