Alejandro Ernesto/Pool photo via AP
Alejandro Ernesto/Pool photo via AP

Serra critica prisão de jornalista chileno na Venezuela

Para ministro, ação das autoridades venezuelanas 'dificulta ainda mais o diálogo entre governo e oposição'

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2016 | 10h44

BRASÍLIA - Em nota, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, José Serra, criticou a prisão do jornalista chileno Braulio Jatar pelo governo venezuelano, ocorrida no sábado. “Estamos muito preocupados com a multiplicação recente de detenções arbitrárias na Venezuela, como a de Jatar, ocorridas à revelia do devido processo legal e em claro desrespeito a liberdades e garantias fundamentais”, afirmou o ministro. “Esse é um desdobramento que dificulta ainda mais o diálogo entre governo e oposição, indispensável para a superação da dramática crise política, econômica, social e humanitária que afeta a Venezuela.”

De acordo com fontes extra oficiais, o jornalista, que tem cidadania venezuelana e chilena e atua na Venezuela, foi detido após um incidente ocorrido na Ilha Margarita. Na sexta-feira, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, foi visitar o bairro popular de Villarosa, mas acabou cercado por manifestantes contrários a seu governo e teve de deixar o local.

O jornal eletrônico de Jatar, chamado Reporte Confidencial, teria sido um dos primeiros veículos de imprensa a divulgar um vídeo do episódio. Jatar teria sido detido junto ao Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin) e mais 30 pessoas, em sequência ao ocorrido.

A prisão provocou uma crise diplomática. No domingo, a chancelaria chilena divulgou nota exigindo saber o paradeiro de Jatar, que teria sido removido da prisão da Ilha Margarita para um local desconhecido.

Em resposta, a chancelaria venezuelana divulgou na segunda-feria uma nota classificando a manifestação do Chile como “ingerência inadmissível”, com base em “falsos pressupostos” e fruto de “falta de recato diplomático”. Segundo Caracas, Jatar é um cidadão nacional e foi detido porque cometeu “delitos graves tipificados na legislação criminal venezuelana.”

O governo brasileiro tem defendido que a solução para a crise na Venezuela deve ser buscada com diálogo entre governo e a oposição. Serra já deu diversas declarações a favor da realização do referendo revogatório, um instrumento previsto na constituição venezuelana que permite retirar o presidente do poder antes do encerramento de seu mandato, mediante consulta popular. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.