Serra Leoa encontrou 130 novos casos de ebola

Serra Leoa encontrou 130 novos casos de ebola

Cerca de 70 outros casos suspeitos ainda estão sendo testados, contou o vice-ministro para Questões Políticas e Públicas, Karamoh Kabba

Estadão Conteúdo

23 de setembro de 2014 | 18h05

Equipes médicas que foram de porta em porta nas ruas de Serra Leoa descobriram 130 novos casos confirmados de ebola durante o confinamento nacional de três dias implantado para barrar o avanço da doença, afirmou uma autoridade do país nesta terça-feira. O governo já considera repetir a operação.

Cerca de 70 outros casos suspeitos ainda estão sendo testados, contou o vice-ministro para Questões Políticas e Públicas, Karamoh Kabba. Além disso, 92 corpos foram encontrados durante a campanha, na qual as equipes distribuíram informações sobre o vírus do ebola para mais de um milhão de casas. Não ficou claro se esses corpos haviam sido diagnosticados como portadores da doença.

A epidemia de ebola que se espalhou pelo Oeste da África infectou mais de 5,8 mil pessoas e matou cerca de 2,8 mil. Os países mais afetados foram Libéria, Serra Leoa e Guiné. A Organização Mundial da Saúde alertou, no entanto, que mesmo esses números devem estar subestimados.

Apesar de muitos especialistas terem duvidado inicialmente da capacidade do confinamento de barrar o avanço do surto, dizendo que seria difícil manter as 6 milhões de pessoas que moram no país em suas casas, o governo considerou a operação um sucesso e já pensa em um novo período de paralisação.

O presidente Ernest Bai Koroma disse nesta terça-feira que ele está "satisfeito com todo o processo, que facilitou o acesso a muitas casas e trouxe à tona muitos doentes e corpos". O comitê que coordena a resposta à crise do ebola ainda está analisando os resultados do confinamento e Koroma afirmou que vai ouvir os conselhos da equipe para determinar se haverá ou não outro toque de recolher. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Serra Leoaebola

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.