Sérvia condena 2 ex-combatentes por crimes de guerra

A Sérvia sentenciou dois homens a 6 e 15 anos de prisão pela tortura e pela morte de 700 muçulmanos eslavos no leste da Bósnia, mas a promotoria afirma que as sentenças foram leves e anunciou que irá apelar da decisão. Os ex-oficiais sérvios Branko Popovic e Branko Grujic foram condenados pelas matanças de civis perto da cidade de Zvornik, em 1992.

AE, Agência Estado

22 de novembro de 2010 | 15h33

Os crimes contra muçulmanos na região da fronteira entre a Bósnia e a Sérvia foram considerados os mais brutais da guerra da Bósnia de 1992 a 1995. As tropas sérvias, incluídos os combatentes paramilitares, reuniram civis muçulmanos, os quais foram torturados e mortos, ou então expulsos, em uma ação de limpeza étnica.

A promotoria para os crimes de guerra informou que irá recorrer dos veredictos, classificando as sentenças como "inadequadas, considerando a responsabilidade dos acusados e levando-se em conta o número de vítimas e o caráter brutal e indiscriminado das execuções".

Os dois foram detidos em 2005, o que significa que Popovic, se a sentença for mantida, deverá cumprir menos de um ano de prisão. O julgamento faz parte dos esforços da Sérvia em lidar com as guerras da década de 1990, enquanto tenta aderir à União Europeia (UE). As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.