Sérvia pede à ONU mais diálogo sobre futuro de Kosovo

O governo da Sérvia pediu à Organização das Nações Unidas (ONU) por mais diálogo a respeito de Kosovo, apesar de uma determinação da Corte Internacional de Justiça ter apoiado a declaração de independência da ex-província sérvia.

AE-AP, COM DOW JONES, Agência Estado

28 de julho de 2010 | 18h02

O Ministério das Relações Exteriores da Sérvia apresentou hoje uma proposta de resolução à Assembleia Geral da ONU dizendo que a "secessão unilateral de Kosovo não é uma maneira aceitável para a solução de disputas territoriais".

Ao mesmo tempo, o primeiro-ministro dos sérvios na Bósnia, Mirolad Dodik, disse hoje que a Sérvia precisará reconhecer que perdeu a província de Kosovo, embora tenha que assegurar um status especial para os sérvios que continuam a viver no território de maioria albanesa.

O governo sérvio afirma desejar que a resolução apresentada à ONU seja discutida na Assembleia Geral, em setembro. Funcionários de Kosovo disseram repetidas vezes que a declaração de independência da ex-província, feita em 2008, é irreversível.

A decisão da Corte Internacional de Justiça, na semana passada, foi um revés para os esforços da Sérvia em tentar reter o Kosovo em seu território. A Sérvia perdeu o controle da sua província durante a guerra de 1998-1999 contra os separatistas albaneses, e os subsequentes bombardeios da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) a Belgrado, que levaram a uma administração internacional de Kosovo.

No total, 69 países, incluídos os Estados Unidos e 22 dos 27 países da União Europeia, reconheceram Kosovo como um país independente. Mas a Sérvia e a minoria sérvia que permaneceu em Kosovo - cerca de 80 mil pessoas - não reconhecem a independência e ainda consideram a província como parte da Sérvia.

Tudo o que sabemos sobre:
SérviaONUdiálogoKosovofuturo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.