Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Sérvia pede que ONU rejeite plano para Kosovo

A Sérvia pediu neste sábado, 10, que a Organização das Nações Unidas (ONU) rejeite a proposta pela independência de Kosovo, a qual tem apoio das potências ocidentais. O presidente sérvio, Boris Tadic, fez o apelo em Viena no último encontro após um ano de negociações entre sérvios e albaneses e antes de a proposta elaborada pelo enviado da ONU Martti Ahtisaari chegar ao Conselho de Segurança. Na cópia do discurso distribuída à imprensa, Tadic diz que espera "um debate sério" no Conselho de Segurança da ONU. "Se a proposta de Ahtisaari for aceita, pode ser a primeira vez na história contemporânea que um território é tirado de um país democrático e pacífico para satisfazer as aspirações de um grupo étnico específico que já tem seu estado-nação", disse. "A soberania e a integridade territorial da Sérvia não podem ser comprometidas." Ahtisaari quer apresentar o documento final à ONU no final de março, oito anos após os bombardeios da OTAN para tomar o controle de Kosovo da Sérvia e impedir a limpeza étnica de albaneses.Conflitos em Kosovo Dez mil albaneses morreram na guerra da Sérvia entre 1998 e 1999 antes da tomada de controle pelas Nações Unidas. A reunião de sábado foi considerada mais como uma prévia do debate no Conselho de Segurança da ONU - previsto para junho - do que a última chance para um acordo, algo que Ahtisaari havia descartado semanas atrás. "Vamos finalizar (o plano) após a reunião deste sábado e antes de mandá-lo ao Conselho de Segurança", disse o vice de Ahtisaari, Albert Rohan, a repórteres durante sua chegada ao palácio Hofburg. A Sérvia espera que sua aliada Rússia use o poder de veto na ONU ou pelo menos adie o processo. A OTAN, que comanda 16,5 mil soldados em Kosovo, teme que a demora possa provocar apenas violência. O plano tem o apoio das principais potências ocidentais, que não vêem chance de forçar 2 milhões de albaneses a voltarem ao domínio de Belgrado. Embora evite a palavra independência, o documento cria as condições para um estado independente, sob supervisão estrangeira, uma missão policial da União Européia e forças de paz da OTAN. Ele oferece auto-governo e proteção para a minoria sérvia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.