Marko Djurica/Reuters
Marko Djurica/Reuters

Sérvia promete prender Hadzic, último fugitivo da Guerra da Bósnia

Presidente pressiona União Europeia a discutir ingresso do país no bloco após prisão de Mladic

Associated Press

30 de maio de 2011 | 15h46

BELGRADO - O presidente da Sérvia, Boris Tadic, disse nesta segunda-feira, 30, que Goran Hadzic, o último fugitivo suspeito de cometer crimes na Guerra da Bósnia, será preso. As declarações de Tadic são feitas poucos dias depois da prisão de Ratko Mladic, ex-general servo-bósnio acusado de ser o responsável por milhares de mortes durante os conflitos.

 

Veja também:

lista Saiba quais os processos que Ratko Mladic enfrenta

documento Perfil: Mladic, o responsável pelo massacre de Srebrenica

som 'Estadão ESPN': Repórter comenta prisão de Mladic

 

Em entrevista, Tadic disse que a Sérvia, ao prender Mladic, cumpriu com suas obrigações internacionais e que o continuaria fazendo. O presidente, então, referiu-se a Hadzic, que será preso "dentro de semanas, meses, ou um ano".

 

Hadzic é um líder rebelde servo-croata acusado pela Organização das Nações Unidas (ONU) de crimes de guerra pelo assassinato de centenas de civis croatas e pela deportação forçada de 28 mil croatas e não-servos na Croácia durante a guerra de 1991.

 

Tadic também pressionou a União Europeia a "fazer sua parte" pelo ingresso da Sérvia no bloco, argumentando que seu país cumpriu com seus compromissos ao prender Mladic. O grupo informou repetidas vezes a prisão do ex-general resultaria em conversas pela entrada de Belgrado. "É hora de reconhecer que o país avançou. Ninguém mais pode dizer que neste país não há leis e que este país não pode enfrentar seu passado", disse o presidente.

 

O ex-comandante era considerado um dos homens mais procurados da Europa e um dos arquitetos dos massacres da Guerra da Bósnia ao lado do ex-líder político Radovan Karadzic e do ex-presidente da antiga Iugoslávia Slobodan Milosevic. Mladic é considerado o principal responsável pelo massacre de Srebrenica, onde morreram 8 mil muçulmanos em 1995.

 

Leia mais:

linkSérvia precisa fazer mais para entrar na UE

linkDefesa de Mladic recorre da extradição para Haia

Tudo o que sabemos sobre:
MladicSérviaEuropaTadicHadzic

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.