Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Alexey Druzhinin/Sputnik/AFP
Alexey Druzhinin/Sputnik/AFP

Serviço secreto da Rússia prende diplomata da Estônia por espionagem

Segundo o FSB, o cônsul estoniano em São Petersburgo foi preso por ter recebido documentos confidenciais

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2021 | 15h22

MOSCOU - O serviço secreto da Rússia prendeu nesta terça-feira, 6, o Cônsul da Estônia em São Petersburgo,  Mart Lätte. Segundo o FSB, o diplomata  foi preso por ter recebido documentos confidenciais. A detenção ocorre em meio ao aumento de casos de espionagem entre a Rússia e o Ocidente.

"O FSB prendeu o diplomata e cônsul geral estoniano em São Petersburgo em flagrante delito, quando recebeu documentos confidenciais de um cidadão russo", disseram os serviços de segurança, citados por agências de notícias russas.

O Serviço de Segurança Federal da Rússia (FSB) disse que deteve o diplomata Mart Latte, baseado em São Petersburgo, depois que ele foi pego em flagrante recebendo informações confidenciais de um cidadão russo. 

"Esta atividade não é compatível com o status de funcionário diplomático e sua natureza é claramente hostil à Federação Russa", disse o FSB em um comunicado. "Medidas de acordo com as normas do direito internacional serão aplicadas ao diplomata estrangeiro." 

As relações da Rússia com os países europeus foram prejudicadas nos últimos meses por uma série de acusações de espionagem contra diplomatas russos na Europa. Itália, Bulgária, República Tcheca e Romênia estão entre os países da UE com os quais Moscou trocou expulsões na mesma moeda. 

Aari Lemmik, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Estônia disse que Latte esteve detido pelo FSB por uma hora e meia após sair de uma reunião de trabalho na Universidade Estadual de São Petersburgo. "Essa acusação de que ele estava de posse de documentos confidenciais é totalmente infundada. Isso é uma provocação. Todo o incidente foi uma armação", disse ela. 

"Achamos que é outro exemplo de que a Rússia escolheu o confronto em vez de reverter a tendência negativa nas relações com os estados membros da UE." Em abril, a embaixada da Rússia na Estônia classificou a expulsão de um de seus diplomatas por Tallinn de um movimento hostil e infundado contra Moscou. / REUTERS e AFP


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.