Sessão relâmpago reabre julgamento de Saddam

O tribunal especial que julga o presidente iraquiano deposto, Saddam Hussein, e sete de seus antigos colaboradores, retomou suas atividades nesta segunda-feira com a presença de todos os acusados. Mas, depois de apenas 90 minutos de sessão, voltou a adiar os trabalhos. O ex-ditador e seus antigos ajudantes são acusados pela morte de 148 iraquianos xiitas que foram condenados à pena capital em 1983, num julgamento sumaríssimo. Os xiitas foram declarados culpados de participar de uma tentativa de assassinato contra Saddam um ano antes. A sessão de hoje praticamente se limitou a um debate entre a defesa e a promotoria sobre a autenticidade da assinatura de Saddam nas sentenças. A defesa, presidida pelo advogado iraquiano Khalil Duleimi, pediu a intervenção de cinco analistas internacionais para verificar a autenticidade. O promotor Jaafar Moussavi, porém, considerava desnecessária a perícia. O meio-irmão de Saddam, Barzan Ibrahim, que era chefe de Inteligência na época, recusou-se a deixar uma amostra de sua assinatura para comparar com as dos documentos, alegando que não tem "suficiente confiança" no tribunal. Além disso, ele acusou o promotor de filtrar informações sobre os documentos, e disse que Moussavi falou com a Rádio Saua sobre as assinaturas quatro dias antes da retomada do julgamento. O presidente do tribunal, Rauf Rashid Abdelrahman, rejeitou o pedido do advogado da defesa, Khalil al-Dulaimi, que exigia a sua substituição por outro juiz. Al-Dulaimi justificou sua exigência pela suposta parcialidade do juiz contra os acusados. "Continuarei em meu posto de juiz e de presidente do tribunal, porque não sou parcial contra ninguém", rebateu Abdelrahman. O julgamento, que começou em outubro, acontece na vigiada "zona verde" do centro de Bagdá. Saddam, que se apresentou na sala vestido de terno preto e camisa branca, e seus ex-colaboradores, usando uma túnica tradicional e a "kuffiah" (lenço que cobre a cabeça) podem ser condenados à morte.

Agencia Estado,

17 Abril 2006 | 06h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.