Alex Treadway / ICIMOD / EFE
Alex Treadway / ICIMOD / EFE

Sete alpinistas estão desaparecidos depois de avalanche no Himalaia

Quatro sul-coreanos e três nepaleses estão entre os envolvidos no acidente que aconteceu no maciço de Annapurna

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2020 | 03h56

NEPAL - Quatro alpinistas sul-coreanos e três nepaleses estão desaparecidos depois de uma avalanche de neve no maciço de Annapurna, um dos picos mais altos do Himalaia, segundo anunciaram autoridades do Nepal neste sábado, 18. O fenômeno ocorreu a uma altitude de cerca de 3.200 metros, perto do acampamento base para a subida de Annapurna, depois de uma forte nevasca na sexta-feira, 17.

"Fomos informados de que não há contato com quatro sul-coreanos e três nepaleses após a avalanche. Uma equipe de resgate foi enviada ao local ontem à noite", disse à AFP Mira Dhakal, uma autoridade do Ministério do Turismo do Nepal.

O chefe de polícia local, Dan Bahadur Karki, disse que o mau tempo estava dificultando os esforços de socorro. "A equipe está a caminho. Também temos um helicóptero pronto para decolar se o tempo melhorar", disse Karki.

Annapurna é uma montanha particularmente propensa a avalanches e tecnicamente difícil. Tem uma taxa de mortalidade mais alta que o Everest, o pico mais alto do mundo.

Na Coréia do Sul, oficiais da Educação relataram que os quatro alpinistas desaparecidos da Coréia faziam parte de uma equipe de professores voluntários que trabalham com crianças no Nepal.

O Ministério das Relações Exteriores da Coréia do Sul anunciou que está se preparando para enviar uma equipe de assistência ao Nepal e que as famílias dos alpinistas desaparecidos já foram informadas. Milhares de caminhantes visitam a região de Annapurna todos os anos, atraídos pelos magníficos espetáculos dos picos do Himalaia.

Em 2014, uma tempestade de neve matou quase 40 pessoas nessa mesma região, em uma das maiores tragédias que afetaram essa atividade turística no Nepal. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.