Sete crianças são hospitalizadas com E.coli na França

Sete crianças foram hospitalizadas na França com infecção por Escherichia coli (E.coli), depois de comerem carne que, segundo fabricantes, pode ter vindo da Alemanha. O grupo, cuja criança mais nova tem apenas 20 meses de idade, ingeriu hambúrgueres descongelados produzidos pela empresa francesa SEB. A companhia revelou que a carne veio de animais abatidos em três países europeus e foi processada na França.

GABRIELA MELLO, Agência Estado

16 de junho de 2011 | 13h57

Os casos surgem após um surto de uma cepa virulenta da E.coli, que matou 39 e deixou 3.300 pessoas doentes em 16 países. Quase todas as mortes, exceto uma, ocorreram na Alemanha. A outra vítima foi uma mulher na Suécia, que recentemente havia retornado de uma viagem ao território alemão.

Autoridades disseram que a infecção nas crianças foi causada por uma cepa rara da bactéria e não estava relacionada ao surto na Alemanha. "Há carne da Alemanha, da Bélgica e da Holanda" nos hambúrgueres, informou o executivo-chefe da SEB, Guy Lamorlette. "Há vários fornecedores. Nós teremos que esperar os resultados dos testes para dizer qual está contaminado."

Um porta-voz da Agência Regional de Saúde de Lille, no norte da França, onde seis das crianças foram hospitalizadas ontem, disse: "Elas estão em estado sério, mas não preocupante. Suas vidas não estão em perigo, de modo nenhum." Uma sétima criança foi encaminhada para o hospital hoje, informaram as autoridades.

Os hambúrgueres "Steak Country" foram comprados em unidades do supermercado alemão Lidl na França. A SEB disse ter solicitado o recall dos produtos e a Lidl informou que os recolheu das prateleiras no país.

A autoridade da agência de saúde revelou que as crianças apresentaram diarreia sanguinolenta. O sintoma também atingiu as vítimas do surto na Alemanha, que foi atribuído a brotos de vegetais contaminados. As infecções na França "não tem ligação no momento com a recente epidemia na Alemanha", esclareceu a autoridade.

A Comissão Europeia disse ter sido informada dos casos, mas "a origem da carne ainda não foi confirmada", afirmou Frederic Vincent, porta-voz do comissário de Saúde da União Europeia, John Dalli. "Não há necessidade de comparar com a Alemanha, porque não é a mesma cepa da bactéria E.coli. Essa é diferente, mesmo que seja tão forte quanto", acrescentou Vincent. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.