Sete dissidentes cubanos libertados chegam à Espanha

Sete dissidentes cubanos libertados chegaram hoje a Madri com suas famílias, em dois voos. Essa é a etapa inicial de uma prometida ampla liberação de dissidentes anunciada pelo regime comunista da ilha. Cuba libertou os sete ontem e os enviou ao exílio na Espanha com suas famílias. O regime de Havana prometeu libertar 52 dissidentes no total.

AE-AP, Agência Estado

13 de julho de 2010 | 09h38

Esses 52 presos fazem parte do chamado "Grupo dos 75", formado por pessoas presas e julgadas em 2003 sob a acusação de receber dinheiro e orientação do governo dos Estados Unidos e de seus aliados para destruir o regime cubano. Vinte dos membros do grupo original já foram soltos por problemas de saúde.

O Ministério das Relações Exteriores da Espanha informou que seis dos ex-prisioneiros chegaram em um voo da Air Europa: Lester González, Omar Ruiz, Antonio Villarreal, Julio César Gálvez, José Luis García Paneque e Pablo Pacheco. O sétimo cubano, identificado como Ricardo González Alfonso, chegou em uma aeronave da Iberia.

O dissidente Omar Ruiz concedeu entrevista ontem por celular quando seguia para o aeroporto internacional José Martí, em Havana, onde se reuniu com familiares em uma sala de espera. Todos foram conduzidos em seguida para um voo da Air Europa com destino a Madri. "Não podíamos nos mover e éramos vigiados", contou Ruiz, visivelmente emocionado. "Não me considerarei livre até que cheguei à Espanha."

Tudo o que sabemos sobre:
CubaEspanhadissinenteslibertação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.