Sete em cada dez afegãos apoiam tropas dos EUA, diz pesquisa

Apoio ao Taleban enfrenta forte queda e insurgentes passam a ser mais responsabilizados pela violência no pais

Associated Press,

11 de janeiro de 2010 | 11h42

Quase sete em cada dez afegãos apoiam a presença das tropas americanas no país, e 61% é a favor do reforço de 37 mil soldados para as tropas americanas e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aponta uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 11.

 

Veja também:

especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão

 

O apoio às tropas americanas nas regiões sul e leste, porém, é bastante inferior. As áreas são onde ocorrem a maior parte dos conflitos entre os insurgentes extremistas e as tropas internacionais.

 

Em todo o Afeganistão, apenas 10% da população apoia o Taleban, mas na região sudoeste os insurgentes ganham apoio de 27% dos afegãos, segundo a pesquisa, realizada pelo Centro Afegão de Pesquisa de Opiniões Socioeconômicas com 1,534 pessoas e cuja margem de erro é de 3%.

 

Depois de vários declínios nos últimos anos, o apoio às tropas americanas cresceu e quase sete afegãos também creem que o país está no caminho certo, um índice 30 pontos maior do que o registrado em janeiro. O número de afegãos que esperam melhorar de vida no próximo ano chegou a 71% nessa nova pesquisa, número 20 pontos superior ao antigo, segundo o levantamento.

 

A expectativa de que a próxima geração de afegãos terá uma vida melhor também teve uma alta significativa de 12 pontos, registrando um índice de 61% nesta pesquisa.

 

As opiniões sobre os culpados pela violência no país também apontam para o apoio à presença militar internacional. 42% dos afegãos creem que o Taleban é responsável pelos conflitos, um índice 27 pontos maior que o anterior. Já os que culpam as tropas dos EUA, da Otan e o governo do país são 17% da população, número 36 pontos menor que o anterior

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUApesquisaTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.