Sete estrangeiros estão desaparecidos, diz premiê argelino

Trinta e sete trabalhadores estrangeiros morreram no complexo de exploração de gás tomado na semana passada no deserto argelino e sete ainda estão desaparecidos depois de um sequestro liderado por radical canadense, disse o primeiro-ministro argelino, Abdelmalek Sellal. Ele acrescentou que 29 militantes islâmicos foram mortos no cerco - que chegou ao fim depois que as forças argelinas invadiram o complexo no sábado - e 3, capturados vivos.

O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2013 | 02h03

Uma fonte da área de segurança argelina disse à Reuters que documentos encontrados nos corpos de dois militantes os identificavam como sendo canadenses. "Um canadense estava entre os militantes. Ele estava coordenando o ataque", disse Sellal em uma entrevista coletiva, acrescentando que os agressores tinham ameaçado explodir a instalação de gás. Segundo o governo, o canadense envolvido na operação se chamava Chedad. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.