Sete homens são detidos por distúrbios na Argentina

Sete homens foram detidos neste domingo acusados de participar dos incidentes ocorridos no ato de transferência dos restos do ex-presidente da Argentina, Juan Domingo Perón, para um novo mausoléu, informaram as autoridades. Os sete detidos, maiores de idade, integram a lista de 12 pessoas processadas pelos violentos episódios ocorridos na terça-feira passada, durante a transferência dos restos do ex-presidente Perón ao cemitério "17 de Outubro", disseram porta-vozes do Ministério de Segurança de Buenos Aires.Desta maneira, já são oito os detidos pelo caso. Um dia depois dos acontecimentos Emilio Quiroz foi preso. Ele havia sido flagrado pela televisão quando atirava em direção ao interior do estabelecimento. Os investigadores tentam determinar se os detidos, cujas identidades não foram divulgadas, pertencem às "barras bravas" (torcidas violentas) dos clubes Estudiantes de La Plata, da Primeira Divisão, e Defensores de Cambaceres, das categorias inferiores dofutebol argentino.Os homens foram detidos em operações realizadas na cidade argentina de La Plata, e nos arredores da capital argentina. Cinco outras pessoas suspeitas de participar do incidente ainda estão foragidas.Após identificar os agressores a partir de vídeos cedidos pelos canais locais de televisão, o juiz César Melazo, do Tribunal de La Plata, ordenou as detenções, informou hoje a imprensa local. Os investigadores acham que os manifestantes foram convocados pelo sindicato de operários da construção para participar da transferência dos restos de Perón (1895-1974) de um cemitério de Buenos Aires para o "17 de Outubro", onde aconteceram os confrontos entre setores rivais do sindicalismo argentino.Briga peronistaO traslado foi organizado pelas 62 organizações sindicais peronistas, subordinadas ao governante Partido Justicialista (PJ, peronista). A batalha campal foi travada por integrantes do sindicato de operários da construção e membros do sindicato dos caminhoneiros, e deixou um saldo de 59 feridos. Os investigadores do caso adiantaram à imprensa que estão investigando outras 30 pessoas, embora ainda seja necessário identificá-las para ordenar as detenções. As imagens dos episódios violentos da terça-feira passada foram comparadas com vídeos de jogos de futebol que o Comitê de Segurança Esportiva (Coprosede) possui, em que as pessoas procuradas pela Justiça foram identificadas. Informações divulgadas neste domingo pela imprensa asseguram que, além dos tiros de Quiroz, outros três tiroteios ocorreram durante os incidentes. Enquanto isso, o Governo de Buenos Aires informou que dentro de aproximadamente um mês os desmandos provocados pelos distúrbios serão solucionados. Durante este período, o local permanecerá fechado e será guardado pela Polícia argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.