Sete morrem em invasão ao consulado dos EUA na Arábia

Radicais islâmicos jogaram explosivos no portão do consulado dos Estados Unidos em Jeddah, Arábia Saudita, e invadiram o prédio. No tiroteio que se seguiu, sete pessoas foram mortas e diversas ficaram feridas. No total, a crise durou três horas. Há americanos entre os feridos, segundo o Departamento de Estado dos EUA.Três dos agressores estão entre os mortos. Dois outros ficaram feridos e foram presos, informa o Ministério do Interior saudita. Forças de segurança sauditas dizem que três de seus agentes morreram na ação. Fontes oficiais não falam em reféns, mas um representante do governo saudita, que pediu para não ser identificado, disse que diversos civis foram confrontados pelos terroristas e mantidos sob a mira de armas.O representante disse que a troca de tiros teve início assim que as forças de segurança sauditas desconfiaram que os civis seriam feridos. Essa mesma fonte diz que não é correto descrever a situação como uma tomada de reféns, porque tudo terminou muito depressa. Uma porta-voz do Departamento de Estado disse que, como medida de precaução, a embaixada americana em Riad e o consulado em Dhahran foram fechados para o público. Fóruns islâmicos na internet começaram a saudar o ataque antes mesmo do desfecho da situação, com um participante elogiando a "destruição de um bastião do ateísmo".

Agencia Estado,

06 de dezembro de 2004 | 10h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.