Sete mortos e 66 feridos em atentado na Colômbia

A explosão de uma poderosa bomba em um concorrido centro comercial de Cúcuta, na fronteira com a Venezuela, provocou hoje a morte de pelo menos 7 pessoas, ferimentos em 66 e a destruição total ou parcial de cerca de 400 lojas, segundo informes preliminares da polícia colombiana. O prefeito de Cúcuta, Manuel Guillermo Mora, informou sobre a morte de pelo menos sete pessoas, mas advertiu que esse número pode aumentar consideravelmente, devido à gravidade do estado de muitas das vítimas.O comandante de operações da Polícia Nacional, general Luis Alfredo Rodríguez, disse que em princípio se suspeita de comandos guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN), que teriam feito explodir a bomba no estacionamento subterrâneo do Centro Comercial Alejandría, que ficou praticamente destruído. Mas vários meios de comunicação receberam chamadas telefônicas de um suposto porta-voz do ELN que rejeita as acusações e lembra que seu grupo condenou o atentado que deixou 37 mortos no luxuoso clube El Nogal, de Bogotá, há quase um mês.A Prefeitura de Cúcuta ofereceu uma recompensa de dez milhões de pesos, equivalente a US$ 3.000, a quem der informações que permitam deter os responsáveis pelo novo atentado. Enrique Díaz, diretor regional da polícia secreta colombiana, o DAS, assegurou que quem colocou a bomba no estacionamento subterrâneo do centro comercial foi José Alberto Durán García, conhecido como "Tayson", membro de um comando urbano do ELN. No entanto, Díaz não revelou em quê baseia sua afirmação sobre a identidade do autor da explosão, o qual, segundo outras fontes, pode estar entre os feridos. A explosão da bomba em Cúcuta, mais de 400 km a nordeste de Bogotá, ocorreu por volta das 10h00 (hora local) desta quarta-feira, quando dezenas de pessoas faziam compras no popular centro comercial, onde se vendem todo tipo de produtos nacionais e alguns estrangeiros contrabandeados. Ao serem detonados, os cerca de 30 quilos de dinamite contidos na bomba provocaram um incêndio que só pôde ser controlado várias horas depois, informou a polícia.As brigadas de resgate que apoiaram os bombeiros e a Força Pública da cidade fronteiriça ajudaram a retirar mulheres, homens e crianças em meio aos escombros, afetados pela densa fumaça provocada pelas chamas. Postos improvisados de primeiros socorros forneciam oxigênio não apenas às vítimas da explosão como também aos prestadores de socorro, atingidos pela fumaça tóxica, comentou um oficial da polícia. Os estragos causados pela bomba são "grandes", segundo a polícia de Cúcuta, município de aproximadamente 650.000 habitantes, que em sua maioria dependem do comércio com a Venezuela.Uma escola e outros edifícios nas proximidades foram esvaziados, diante da possibilidade de serem atingidos pelas chamas. Os bombeiros das cidades próximas venezuelanas de San Antonio del Táchira e San Cristóbal passaram para o lado colombiano a fim de ajudar no combate às chamas, disse uma fonte do governo local. Nos últimos anos, Cúcuta tem sido palco de atentados; o jornal local La Opinión e a sede da cadeia de rádio privada RCN já foram atacados com bombas. No departamento (Estado) de Santander del Norte, cuja capital é Cúcuta, estão presentes guerrilheiros do ELN, das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e também paramilitares ultradireitistas das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.